PERFIL: Descartada por ACM Neto, Célia não se diz motivada por vingança,mas ataca antiga “aliança”


Atualizado em 29/09/2016 às 9:00

Mulher. Negra. Periférica.

Características das quais, Célia Oliveira de Jesus Sacramento, do PPL (Partido Pátria Livre) se orgulha e, por causa delas, foi escolhida para a chapa vencedora de 2012 na condição de vice-prefeita. Hoje ela saca suas armas contra seu ex-aliado, ACM Neto (DEM), e tenta chegar ao Palácio Thomé de Souza como autoridade máxima, o que ela considera seu destino natural, caso não tivesse sido trocada na coligação do atual prefeito por Bruno Reis (PMDB).

Nosso encontro aconteceu em um cenário familiar para candidata. Foi no prédio da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde cursou contabilidade, que marcamos um encontro que resultou nesta reportagem. Lá, Célia Sacramento e todos os candidatos ao pleito deste ano foram convidados para assinar uma carta compromisso com a cidade voltada para o desenvolvimento sustentável e questões ambientais.

Filha política do Partido Verde (PV), sua escolha foi por incorporar as propostas ao seu projeto de governo. Sua vida política começou em 2005 quando foi convidada para disputar uma vaga na Câmara de Vereadores pelo PV, atingiu a suplência, em seguida disputou o cargo de deputada federal.

Enfim, em 2012 quando se candidataria à prefeitura foi escolhida para compor a chapa de ACM Neto. Antes de entrar para o time, Célia impôs cinco condições para aceitar blindar o democrata de acusações elitistas e contra minorias. “Eu coloquei cinco condições. Compromisso com meio ambiente e desenvolvimento sustentável, respeito à diversidade sexual, religiosa. Além de políticas públicas de promoção a igualdade, transparência e educação como base”, diz.

ACABOU O AMOR:

celia-neto

Célia Sacramento e ACM Neto

Após quase quatro anos juntos, Célia e Neto chegaram ao fim. Como a maioria dos casais que terminam de maneira trágicas obraram críticas e não faltaram acusações. “João Henrique destruiu Salvador, então em terra de banguelo quem tem dente é rei”, diz Célia, na tentativa de diminuir a gestão da qual ainda faz parte (é, legalmente, a vice-prefeita até 31 de dezembro deste ano).

Agora opositora, Célia protelou o enfrentamento direto até a consumação de sua substituição pelo peemedebista Bruno Reis, o qual se refere como “o cidadão”. Para o novo ‘queridinho’ de Neto, a atual vice-prefeita dá o carimbo de partido ficha suja e o ressentimento da troca feita nos 45 do segundo tempo.

Enquanto fazia parte da gestão não havia críticas, mas após ser preterida Célia Sacramento resolveu se posicionar de forma contrária às realizações feitas pelo governo que participou. Acusações de superfaturamento de obras foram denunciadas nos veículos de imprensa, discordância com as prioridades de construção de orlas e praças em detrimento às encostas que destruíram famílias no Marotinho e Barro Branco. Ainda na condição de vice mostrou-se totalmente descontente com o alinhamento do seu grupo político com Michel Temer e chegou a publicar críticas em suas redes sociais, mas, mesmo assim, não rompeu.

Só depois da decisão de Neto, Célia Sacramento se viu obrigada a quebrar o laço e terminar o namoro de quatro anos.

Em entrevista ao Aratu Online, a ex-prefeita falou sobre o porquê não ter denunciado os supostos superfaturamentos de obras da prefeitura das quais diz hoje conhecer. Veja no vídeo abaixo:

NA LANTERNA:

A candidata acredita que a vitória de ACM Neto só foi possível por conta da sua participação na chapa. “Muitas pessoas votaram nele por minha causa”.

Ela, porém, não explica as razões de hoje apenas patinar nas pesquisas, ocupando a lanterninha entre os sete candidatos, segundo números do Ibope. Célia não pontuou em nenhuma das rodadas de pesquisa feitas pelo instituto em Salvador.

14494887_10209505786673595_5416681613392853262_n

Célia Sacramento com representantes da UNE

Um acontecimento que tem prejudicado a candidatura foi a demissão de funcionários indicados por ela. O prefeito descartou pessoas ligadas à Célia, causando transtorno para a ex-aliada. Como se não bastasse, um estelionatário pedia contribuição financeira para a campanha da representante do PPL prometendo cartas do programa Minha Casa, Minha Vida como recompensa.

LEIA MAIS: ESTELIONATO: Famílias se dizem vítimas da campanha de Célia Sacramento; Candidata rebate

PROPOSTAS:

14519917_10209517928537134_7910304824954212075_n

Candidata durante campanha

Com vasta experiência na área contábil, sua maior promessa é “fazer mais gastando menos”. Aumentar a receita e diminuir os custos, para a candidata é mais importante cuidar das pessoas do que enfeitar praças. “Entre construir uma quadra ao lado de um esgoto e cuidar primeiro do esgoto, é claro que eu vou cuidar do saneamento básico que uma questão de saúde pública”, diz.

“Essas são bandeiras que eu sempre defendi e vou continuar lutando. As coisas não foram fáceis para mim, eu cheguei a ter depressão na época da universidade, naquela época era impossível competir com pessoas de classes mais altas, hoje pelo menos temos as cotas. Se for eleita cuidarei ainda mais de Salvador”, promete.

Texto: Heloísa Gomes

Fotos: Divulgação

Rua Pedro Gama, 31, Federação. Tel: 71 3339-8088 - Salvador - BA

PERFIL: Descartada por ACM Neto, Célia não se diz motivada por vingança,mas ataca antiga “aliança”

Fonte:
Atualizado em 29/09/2016 às 9:08

Mulher. Negra. Periférica.

Características das quais, Célia Oliveira de Jesus Sacramento, do PPL (Partido Pátria Livre) se orgulha e, por causa delas, foi escolhida para a chapa vencedora de 2012 na condição de vice-prefeita. Hoje ela saca suas armas contra seu ex-aliado, ACM Neto (DEM), e tenta chegar ao Palácio Thomé de Souza como autoridade máxima, o que ela considera seu destino natural, caso não tivesse sido trocada na coligação do atual prefeito por Bruno Reis (PMDB).

Nosso encontro aconteceu em um cenário familiar para candidata. Foi no prédio da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde cursou contabilidade, que marcamos um encontro que resultou nesta reportagem. Lá, Célia Sacramento e todos os candidatos ao pleito deste ano foram convidados para assinar uma carta compromisso com a cidade voltada para o desenvolvimento sustentável e questões ambientais.

Filha política do Partido Verde (PV), sua escolha foi por incorporar as propostas ao seu projeto de governo. Sua vida política começou em 2005 quando foi convidada para disputar uma vaga na Câmara de Vereadores pelo PV, atingiu a suplência, em seguida disputou o cargo de deputada federal.

Enfim, em 2012 quando se candidataria à prefeitura foi escolhida para compor a chapa de ACM Neto. Antes de entrar para o time, Célia impôs cinco condições para aceitar blindar o democrata de acusações elitistas e contra minorias. “Eu coloquei cinco condições. Compromisso com meio ambiente e desenvolvimento sustentável, respeito à diversidade sexual, religiosa. Além de políticas públicas de promoção a igualdade, transparência e educação como base”, diz.

ACABOU O AMOR:

celia-neto

Célia Sacramento e ACM Neto

Após quase quatro anos juntos, Célia e Neto chegaram ao fim. Como a maioria dos casais que terminam de maneira trágicas obraram críticas e não faltaram acusações. “João Henrique destruiu Salvador, então em terra de banguelo quem tem dente é rei”, diz Célia, na tentativa de diminuir a gestão da qual ainda faz parte (é, legalmente, a vice-prefeita até 31 de dezembro deste ano).

Agora opositora, Célia protelou o enfrentamento direto até a consumação de sua substituição pelo peemedebista Bruno Reis, o qual se refere como “o cidadão”. Para o novo ‘queridinho’ de Neto, a atual vice-prefeita dá o carimbo de partido ficha suja e o ressentimento da troca feita nos 45 do segundo tempo.

Enquanto fazia parte da gestão não havia críticas, mas após ser preterida Célia Sacramento resolveu se posicionar de forma contrária às realizações feitas pelo governo que participou. Acusações de superfaturamento de obras foram denunciadas nos veículos de imprensa, discordância com as prioridades de construção de orlas e praças em detrimento às encostas que destruíram famílias no Marotinho e Barro Branco. Ainda na condição de vice mostrou-se totalmente descontente com o alinhamento do seu grupo político com Michel Temer e chegou a publicar críticas em suas redes sociais, mas, mesmo assim, não rompeu.

Só depois da decisão de Neto, Célia Sacramento se viu obrigada a quebrar o laço e terminar o namoro de quatro anos.

Em entrevista ao Aratu Online, a ex-prefeita falou sobre o porquê não ter denunciado os supostos superfaturamentos de obras da prefeitura das quais diz hoje conhecer. Veja no vídeo abaixo:

NA LANTERNA:

A candidata acredita que a vitória de ACM Neto só foi possível por conta da sua participação na chapa. “Muitas pessoas votaram nele por minha causa”.

Ela, porém, não explica as razões de hoje apenas patinar nas pesquisas, ocupando a lanterninha entre os sete candidatos, segundo números do Ibope. Célia não pontuou em nenhuma das rodadas de pesquisa feitas pelo instituto em Salvador.

14494887_10209505786673595_5416681613392853262_n

Célia Sacramento com representantes da UNE

Um acontecimento que tem prejudicado a candidatura foi a demissão de funcionários indicados por ela. O prefeito descartou pessoas ligadas à Célia, causando transtorno para a ex-aliada. Como se não bastasse, um estelionatário pedia contribuição financeira para a campanha da representante do PPL prometendo cartas do programa Minha Casa, Minha Vida como recompensa.

LEIA MAIS: ESTELIONATO: Famílias se dizem vítimas da campanha de Célia Sacramento; Candidata rebate

PROPOSTAS:

14519917_10209517928537134_7910304824954212075_n

Candidata durante campanha

Com vasta experiência na área contábil, sua maior promessa é “fazer mais gastando menos”. Aumentar a receita e diminuir os custos, para a candidata é mais importante cuidar das pessoas do que enfeitar praças. “Entre construir uma quadra ao lado de um esgoto e cuidar primeiro do esgoto, é claro que eu vou cuidar do saneamento básico que uma questão de saúde pública”, diz.

“Essas são bandeiras que eu sempre defendi e vou continuar lutando. As coisas não foram fáceis para mim, eu cheguei a ter depressão na época da universidade, naquela época era impossível competir com pessoas de classes mais altas, hoje pelo menos temos as cotas. Se for eleita cuidarei ainda mais de Salvador”, promete.

Texto: Heloísa Gomes

Fotos: Divulgação