ESCÂNDALO: Por assédio sexual, aluna denuncia professor de geografia em escola da rede Sesi

Da Redação
Atualizado em 12/01/2017 às 6:40
Foto: Ilustração

Um professor de geografia da escola Djalma Pessoa, vinculada à Rede Sesi de Educação, em Salvador, é acusado de ter cometido assédio sexual e crime de homofobia contra alunas da instituição. Recentemente, algumas adolescentes postaram, nas redes sociais, conversas que o docente teria tido com elas. Em algumas publicações, o acusado adota posturas inconvenientes no tratamento com as menores.

“Posso dizer o que penso? […] Você é uma delícia! […] Pena que não poderei te mostrar como o mundo pode ser delicioso”, teria dito o professor para uma aluna em um bate-papo virtual.

As investidas, algumas vezes, segundo as publicações das adolescentes, envolviam a relação pedagógica entre docente e estudantes: “Gostou de sua média princesinha? […] Eu vou sentir sua falta viu? Você pode sim ir bem mais longe viu?”.

Motivada pelas denúncias que vieram à tona no início deste mês, uma ex-aluna da escola resolveu, também, denunciar o professor de geografia. Atualmente com 22 anos, Jéssica Santos, que concluiu o curso médio, em 2012, revelou ao Aratu Online que o acusado há muito tempo tem esse tipo de conduta.

Ainda de acordo com a jovem, antes da massificação das redes sociais esse comportamento já era adotado, pessoalmente, pelo professor. “Muitas alunas que foram assediadas comunicaram o fato à direção da escola, mas nada acontecia”, disse.

Por ser homossexual, Jéssica informou que em seu caso o desrespeito acontecia com atitudes homofóbicas. Segundo a jovem, ela namorava uma colega e era constantemente constrangida pelo docente quando as duas estavam de mãos dadas: “vocês podem ser sapatão entre quatro paredes, mas não deviam andar juntas aqui”, dizia, de acordo com o relato.

LEIA TAMBÉM: CRIME EM SANTALUZ: Após sete meses, DPT identifica corpo de professor encontrado em porta-malas

O Aratu Online entrou em contato com a assessoria de comunicação da instituição e foi informado que o caso já está sendo apurado. Em nota, o Sesi Bahia disse que serão tomadas todas as providências cabíveis, diante do fato.

Confira na íntegra:

“O SESI Bahia tomou conhecimento, por meio das redes sociais, de suposto assédio praticado por professor de uma de suas escolas contra uma aluna.

Diante da gravidade do assunto, o SESI Bahia determinou a apuração a adoção de todas as providências cabíveis.

O SESI Bahia repudia incondicionalmente qualquer ato de desrespeito à pessoa e está integralmente comprometido com os valores estabelecidos no Código de Conduta Ética da entidade, que coíbe toda e qualquer prática de assédio, violência e desrespeito ao indivíduo.”

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos na página facebook.com/aratuonline e também pelo youtube.com/televisaoaratu.

Rua Pedro Gama, 31, Federação. Tel: 71 3339-8088 - Salvador - BA
X

ESCÂNDALO: Por assédio sexual, aluna denuncia professor de geografia em escola da rede Sesi

Fonte: Da Redação
Atualizado em 12/01/2017 às 7:08

Um professor de geografia da escola Djalma Pessoa, vinculada à Rede Sesi de Educação, em Salvador, é acusado de ter cometido assédio sexual e crime de homofobia contra alunas da instituição. Recentemente, algumas adolescentes postaram, nas redes sociais, conversas que o docente teria tido com elas. Em algumas publicações, o acusado adota posturas inconvenientes no tratamento com as menores.

“Posso dizer o que penso? […] Você é uma delícia! […] Pena que não poderei te mostrar como o mundo pode ser delicioso”, teria dito o professor para uma aluna em um bate-papo virtual.

As investidas, algumas vezes, segundo as publicações das adolescentes, envolviam a relação pedagógica entre docente e estudantes: “Gostou de sua média princesinha? […] Eu vou sentir sua falta viu? Você pode sim ir bem mais longe viu?”.

Motivada pelas denúncias que vieram à tona no início deste mês, uma ex-aluna da escola resolveu, também, denunciar o professor de geografia. Atualmente com 22 anos, Jéssica Santos, que concluiu o curso médio, em 2012, revelou ao Aratu Online que o acusado há muito tempo tem esse tipo de conduta.

Ainda de acordo com a jovem, antes da massificação das redes sociais esse comportamento já era adotado, pessoalmente, pelo professor. “Muitas alunas que foram assediadas comunicaram o fato à direção da escola, mas nada acontecia”, disse.

Por ser homossexual, Jéssica informou que em seu caso o desrespeito acontecia com atitudes homofóbicas. Segundo a jovem, ela namorava uma colega e era constantemente constrangida pelo docente quando as duas estavam de mãos dadas: “vocês podem ser sapatão entre quatro paredes, mas não deviam andar juntas aqui”, dizia, de acordo com o relato.

LEIA TAMBÉM: CRIME EM SANTALUZ: Após sete meses, DPT identifica corpo de professor encontrado em porta-malas

O Aratu Online entrou em contato com a assessoria de comunicação da instituição e foi informado que o caso já está sendo apurado. Em nota, o Sesi Bahia disse que serão tomadas todas as providências cabíveis, diante do fato.

Confira na íntegra:

“O SESI Bahia tomou conhecimento, por meio das redes sociais, de suposto assédio praticado por professor de uma de suas escolas contra uma aluna.

Diante da gravidade do assunto, o SESI Bahia determinou a apuração a adoção de todas as providências cabíveis.

O SESI Bahia repudia incondicionalmente qualquer ato de desrespeito à pessoa e está integralmente comprometido com os valores estabelecidos no Código de Conduta Ética da entidade, que coíbe toda e qualquer prática de assédio, violência e desrespeito ao indivíduo.”

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos na página facebook.com/aratuonline e também pelo youtube.com/televisaoaratu.