CRISE POLÍTICA: Delação de Joesley Batista, da JBS, não é ilegal, decide o ministro Edson Fachin

Agência Brasil
Atualizado em 19/05/2017 às 17:35
CRISE POLÍTICA: Delação de Joesley Batista, da JBS, não é ilegal, decide o ministro Edson Fachin Foto: Reprodução

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin considerou legais as gravações feitas pelo empresário Joesley Batista e enviadas à Procuradoria-Geral da República (PGR).

LEIA MAISNO EPISÓDIO DE HOJE: Temer ficou! O que esperar agora? Especialistas respondem

O entendimento está na decisão desta quinta-feira (18/5), na qual o ministro autorizou a abertura de investigação sobre o presidente Michel Temer, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

Em sua declaração, Temer defendeu que as gravações nas quais ele aparece são “clandestinas”. A decisão de Fachin, porém, o impede de continuar sustentando este ponto.

LEIA MAISBRASIL EM CRISE: “Não renunciarei”, afirma presidente Michel Temer durante pronunciamento

Ao aceitar o pedido de abertura de investigação, Fachin disse que a jurisprudência do STF valida gravações feitas por um investigado para captar conversas com terceiros. Na decisão, o ministro não fez juízo sobre as acusações.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo, no facebook.com/aratuonline e no youtube.com/televisaoaratu

Rua Pedro Gama, 31, Federação. Tel: 71 3339-8088 - Salvador - BA

CRISE POLÍTICA: Delação de Joesley Batista, da JBS, não é ilegal, decide o ministro Edson Fachin

Fonte: Agência Brasil
Atualizado em 19/05/2017 às 17:46
CRISE POLÍTICA: Delação de Joesley Batista, da JBS, não é ilegal, decide o ministro Edson Fachin

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin considerou legais as gravações feitas pelo empresário Joesley Batista e enviadas à Procuradoria-Geral da República (PGR).

LEIA MAISNO EPISÓDIO DE HOJE: Temer ficou! O que esperar agora? Especialistas respondem

O entendimento está na decisão desta quinta-feira (18/5), na qual o ministro autorizou a abertura de investigação sobre o presidente Michel Temer, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

Em sua declaração, Temer defendeu que as gravações nas quais ele aparece são “clandestinas”. A decisão de Fachin, porém, o impede de continuar sustentando este ponto.

LEIA MAISBRASIL EM CRISE: “Não renunciarei”, afirma presidente Michel Temer durante pronunciamento

Ao aceitar o pedido de abertura de investigação, Fachin disse que a jurisprudência do STF valida gravações feitas por um investigado para captar conversas com terceiros. Na decisão, o ministro não fez juízo sobre as acusações.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo, no facebook.com/aratuonline e no youtube.com/televisaoaratu