CINEPIPOCACULT: Documentário sobre travestis consegue passar todo carinho

Da redação
Atualizado em 03/07/2017 às 12:56
CINE PIPOCA CULT: Documentário sobre travestis consegue passar todo carinho, diz crítica especializada Foto: Reprodução

Do Cine Pipoca Cult, parceiro do Aratu Online

Divinas Divas é um documentário especial. Estreia de Leandra Leal na direção, a obra traz uma homenagem a artistas que fizeram parte da história da atriz, nascida praticamente nas coxias do teatro. De maneira leve e intimista, ela resgata a história de oito travestis que marcaram época no Brasil e dos palcos do Teatro Rival, fundado por seu avô e que, hoje, ela própria administra.

Apesar de pontuais narrações em voz over e algumas perguntas que vazam na edição, a atuação da diretora na obra é bastante discreta. Ao mesmo tempo, é possível perceber seu coração pulsando em cada take escolhido. A história daquelas mulheres faz parte da sua própria história. Em determinado momento, isso fica muito claro durante a projeção. Homenageá-las é também uma forma de homenagear seu avô, sua mãe e seu pai.

Divinas Divas - filmeJane di Castro, Rogéria, Divina Valéria, Camille K., Brigitte de Búzios, Fujika de Holliday, Eloína dos Leopardos e Marquesa estão em tela o tempo todo. O documentário mistura entrevistas, ensaios, recortes de jornais e revistas, além de atuações no próprio palco do Rival em uma apresentação especial de 50 anos de carreira.

É interessante como o roteiro do documentário não constrói uma estrutura cartesiana e, ao mesmo tempo, cada uma delas tem o seu momento de fala e resgate. As conversas e lembranças surgem de maneira natural. Tudo flui em tela, acompanhando a história dessas mulheres, artistas que ultrapassaram barreiras, inovaram e brilharam aqui e no exterior.

Divinas Divas - filmeViviam em uma época em que os direitos dos homossexuais ainda nem eram discutidos e ser travesti era uma aberração. Ao mesmo tempo, parece que naquela época era mais fácil encontrar shows e construir uma carreira. Como algumas delas mesmo dizem, era trabalho a semana inteira, hoje, muitas tem que apelar para prostituição para sobreviver. Apesar da ditadura militar, elas conseguiam um status de Divas, aparecendo em revistas e se tornando celebridades, coisa que vemos pouco, hoje em dia, apesar de toda a luta e conquistas da classe.

O único problema do documentário acaba sendo a duração, quase duas horas faz a estrutura ficar cansativa. Por mais que sejam oito artistas resgatadas, talvez fosse possível reduzir um pouco. Mas é complicado mesmo diante de tantas histórias. Entre histórias pessoais, relação com a família, escolhas de carreira, a gente sente que cada uma delas poderia render um longa-metragem próprio.

Divinas Divas consegue passar todo o carinho e importância daquelas artistas para a diretora Leandra Leal. E assim, nos conquista juntos. É fácil admirar aquelas pessoas e perceber que sim, são divas e merecem brilhar nos palcos e em nossas lembranças. Esta foi uma bela forma de eternizá-las.

Divinas Divas (Divinas Diva, 2017 / Brasil)
Direção: Leandra Leal
Roteiro: Leandra Leal, Carol Benjamin, Lucas Paraizo, Natara Ney
Com: Jane di Castro, Rogéria, Divina Valéria, Camille K., Brigitte de Búzios, Fujika de Holliday, Eloína dos Leopardos, Marquesa
Duração: 110 min.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo e nofacebook.com/aratuonline.

Rua Pedro Gama, 31, Federação. Tel: 71 3339-8088 - Salvador - BA

CINEPIPOCACULT: Documentário sobre travestis consegue passar todo carinho

Fonte: Da redação
Atualizado em 13/07/2017 às 22:11
CINE PIPOCA CULT: Documentário sobre travestis consegue passar todo carinho, diz crítica especializada

Do Cine Pipoca Cult, parceiro do Aratu Online

Divinas Divas é um documentário especial. Estreia de Leandra Leal na direção, a obra traz uma homenagem a artistas que fizeram parte da história da atriz, nascida praticamente nas coxias do teatro. De maneira leve e intimista, ela resgata a história de oito travestis que marcaram época no Brasil e dos palcos do Teatro Rival, fundado por seu avô e que, hoje, ela própria administra.

Apesar de pontuais narrações em voz over e algumas perguntas que vazam na edição, a atuação da diretora na obra é bastante discreta. Ao mesmo tempo, é possível perceber seu coração pulsando em cada take escolhido. A história daquelas mulheres faz parte da sua própria história. Em determinado momento, isso fica muito claro durante a projeção. Homenageá-las é também uma forma de homenagear seu avô, sua mãe e seu pai.

Divinas Divas - filmeJane di Castro, Rogéria, Divina Valéria, Camille K., Brigitte de Búzios, Fujika de Holliday, Eloína dos Leopardos e Marquesa estão em tela o tempo todo. O documentário mistura entrevistas, ensaios, recortes de jornais e revistas, além de atuações no próprio palco do Rival em uma apresentação especial de 50 anos de carreira.

É interessante como o roteiro do documentário não constrói uma estrutura cartesiana e, ao mesmo tempo, cada uma delas tem o seu momento de fala e resgate. As conversas e lembranças surgem de maneira natural. Tudo flui em tela, acompanhando a história dessas mulheres, artistas que ultrapassaram barreiras, inovaram e brilharam aqui e no exterior.

Divinas Divas - filmeViviam em uma época em que os direitos dos homossexuais ainda nem eram discutidos e ser travesti era uma aberração. Ao mesmo tempo, parece que naquela época era mais fácil encontrar shows e construir uma carreira. Como algumas delas mesmo dizem, era trabalho a semana inteira, hoje, muitas tem que apelar para prostituição para sobreviver. Apesar da ditadura militar, elas conseguiam um status de Divas, aparecendo em revistas e se tornando celebridades, coisa que vemos pouco, hoje em dia, apesar de toda a luta e conquistas da classe.

O único problema do documentário acaba sendo a duração, quase duas horas faz a estrutura ficar cansativa. Por mais que sejam oito artistas resgatadas, talvez fosse possível reduzir um pouco. Mas é complicado mesmo diante de tantas histórias. Entre histórias pessoais, relação com a família, escolhas de carreira, a gente sente que cada uma delas poderia render um longa-metragem próprio.

Divinas Divas consegue passar todo o carinho e importância daquelas artistas para a diretora Leandra Leal. E assim, nos conquista juntos. É fácil admirar aquelas pessoas e perceber que sim, são divas e merecem brilhar nos palcos e em nossas lembranças. Esta foi uma bela forma de eternizá-las.

Divinas Divas (Divinas Diva, 2017 / Brasil)
Direção: Leandra Leal
Roteiro: Leandra Leal, Carol Benjamin, Lucas Paraizo, Natara Ney
Com: Jane di Castro, Rogéria, Divina Valéria, Camille K., Brigitte de Búzios, Fujika de Holliday, Eloína dos Leopardos, Marquesa
Duração: 110 min.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo e nofacebook.com/aratuonline.