“TALENTO”, diz Gagliasso sobre inserção de baiana no card das duas edições do Fight 2 Night

Após estreia apoteótica no Rio de Janeiro, no ano passado, o Fight 2 Night (F2N) terá a sua segunda edição realizada em Foz do Iguaçu (Paraná), no dia 28 de abril, no Rafain Palace Hotel – e segura que, até o final do ano, devem ter mais três edições pelo Brasil. O card dessa contará com dois atletas baianos: Virna “Carcará” Jandiroba, que está na segunda colocação dos palhas, no Ranking Nacional de MMA; e Júnior Orgulho, que vai participar da competição pela primeira vez.

Bruno Gagliasso é o promotor do evento

Virna, que participou da estreia do evento, volta nesta segunda edição no card principal para enfrentar Ericka Almeida, ex-UFC (Ultimate Fighting Championship). Segundo Bruno Gagliasso, promotor do Fight 2 Night, o que motivou a participação da baiana novamente foi “TALENTO” — assim mesmo, em letras maiúsculas, o ator respondeu ao Nocaute Baiano, e completou: “Ela merece, e queremos ela na segunda edição como também queremos ela brilhando no UFC ou onde ela quiser”.

De acordo com Gagliasso, o evento não pretende credenciar os atletas para o UFC. A intenção é mostrar ao país e ao mundo que o MMA é um esporte e merece ser respeitado. “A ideia surgiu da paixão que meu sogro, Roberto Baldacconi, e eu temos pelo esporte, e da vontade de criar um evento diferente dos que existem hoje no Brasil. Queremos fomentar o esporte, revelando novos talentos. Nosso objetivo é que homens e mulheres curtam uma verdadeira experiência. Por isso, pensamos em algo democrático que misturasse esporte, música e diversão, agradando diversos públicos e criando um novo modelo de evento”, comenta. A competição será seguida de uma festa, com apresentações da banda Jota Quest e do trio de DJs Make U Sweat.

Virna vai lutar com ex-UFC

Natural de Serrinha (BA), Virna afirma que está animada para essa peleja. “Estou confiante. Fiz um bom camp, tive ao meu lado pessoas que confio bastante e treinei com atletas de características diferentes. Então, posso dizer que fui exposta a muitas coisas. Cada dia mais busco me profissionalizar e trabalhar com ciência. Tenho certeza que vamos alcançar os nossos objetivos. O foco é chegar ao UFC. Quero ter a oportunidades de lutar com as melhores do mundo. Mas também quero salientar a grandiosidade do Fight 2 Night. Estou muito feliz por estar lá novamente”, revela.

Segundo a baiana, a estrutura e a organização são de máxima qualidade. “Os atletas são muito bem tratados. Somos cuidados como se fossemos as estrelas do evento e isso é muito importante para nós. Esse tratamento deveria ser regra em todos os eventos de MMA”, frisa.

A luta principal da noite será protagonizada pelo o brasileiro Luiz Banha e o americano Matt Hamill, ambos com longa passagem pelo UFC. O evento será transmitido ao vivo pelo Canal Combate.

Grand Prix meio-médios

Uma novidade desta segunda edição é o Grand Prix (GP) no peso meio-médio (77 kg). Oito lutadores só conhecerão seus adversários no dia da pesagem, na véspera do evento. Os vencedores se encontrão nas próximas edições do Fight 2 Night, até que os finalistas se encarem pelo cinturão no último evento do ano.

O baiano Júnior Orgulho participará do GP e está confiante quanto ao seu desempenho. “Eu acredito ser um atleta completo. Onde a luta desenrolar, eu vou saber lutar e ser competitivo, sempre atrás dos melhores momentos da luta e sempre com o objetivo de encerrar o combate.

O Matchmaker do F2N, Tiago Okamura, explica que o sorteio do GP é baseado em uma metodologia que foi utilizada no Japão, nos anos 90 e começo da década de 2000, pelo evento de trocação K-1. “O sorteio não é um simples e aleatório, onde apenas a sorte dita o casamento das lutas. Ele envolve sorte e muita estratégia, já que indica a ordem em que os atletas escolherão suas posições nas chaves”, esclarece.

Assim, os atletas podem, estrategicamente, escolher onde se encontram nas chaves; em alguns casos, definir os oponentes diretos do dia seguinte ou até mesmo manter-se afastados dos que consideram mais perigosos. “Isso cria uma dinâmica muito interessante para o público e para a mídia, já que o casamento das lutas é, em parte, feito pelos próprios atletas”, frisa Okamura.

Se ligue no card

CARD PRINCIPAL:
Peso-meio-pesado: Luiz Banha x Matt Hamill
Peso-médio: Paulo Thiago x Fayçal Hucin
Peso-palha: Virna Jandiroba x Ericka Almeida
Peso-leve: Killys Mota x Akihiro Gono

CARD PRELIMINAR:
Peso-palha: Jhonata Silva x Victor Carvalho
Peso-palha: Marina Alcalde x Samara Marituba

GP PESO-MEIO-MÉDIO (sorteio das lutas no dia da pesagem):
William Patolino
Luiz Cado
Junior Marques
Handesson Ferreira
Edi de Castro
Junior Orgulho
Matias Juárez
Jorge Laterra

Carcará manda recado

Na Carona: Existe machismo no MMA?

O machismo, o preconceito com a mulher e o assédio têm sido assuntos frequentes em rodas de conversas. Isso porque há uma movimentação expressiva para que haja igualdade de direitos entre os sexos.

É verdade que, no mundo das Artes Marciais Mistas (MMA), a presença dos homens é mais frequente. Seja lutando, treinando ou acompanhando as pelejas. Mas, isso não significa que as mulheres não tenham talento e vez.

A lutadora de boxe e árbitra de MMA Carla Freitas, que tem cerca de 20 anos de carreira, conta sua trajetória e suas batalhas fora dos ringues e cages. Acompanhe a entrevista e inspire-se!

Assista ao vídeo

NA CARONA: Existe machismo no MMA?

Na carona do Nocaute Baiano, a lutadora de boxe e árbitra de MMA Carla Freitas conta a realidade da mulher no mundo das artes marciais. Assista!

Posted by Nocaute Baiano on Friday, April 14, 2017

 

Bahia ganha Federação de Muay Thai e Boxe Tailandês

A Confederação Brasileira de Muay Thai e Boxe Tailandês selecionou a Bahia para compor o time de Federações Estaduais das modalidades — São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Ceará já possuíam a entidade. A Federação Baiana de Muay Thai e Boxe Tailandês (FBMT-BT), fundada este mês, surgiu a convite do diretor da Confederação Brasileira, Wanderley Filho.

Ele afirma que o estado foi escolhido por ser considerado um dos mais importantes do Brasil quando o assunto é Muay Thai. “Para nós é uma honra estar presente na Bahia, de onde já saíram vários atletas de destaque nacional”.

Wanderley é diretor da Confederação 

Ainda de acordo com Wanderley, o papel da Federação será organizar as modalidades, regular grandes eventos e oferecer suporte aos atletas e professores. Além de registrar academias, legalizar equipes e dar mais destaque aos esportes, aumentando o número de praticantes.

“Hoje, a Confederação tem mais de 5 mil filiados e queremos dobrar esse número até o final do ano, com um trabalho sério. Temos um trabalho forte em São Paulo e queremos expandir o conhecimento adquirido. Minha expectativa é que, com a ajuda das Federações — da Bahia, representada por Marcos Araújo —, alcancemos algo jamais visto no Brasil em termos de organização e crescimento do esporte. Convido a todos os praticantes e simpatizantes a fazerem parte dessa revolução”, incentiva Wanderley.

Presidente da FBMT-BT e líder da equipe Demolição Bad Boy, Marcos Araújo (foto em destaque) avalia que o estado estava carente de organização nessas modalidades, o que impossibilitava os atletas de participarem de grandes eventos realizados no Brasil e no mundo. “A Federação chegou para agregar, unir as equipes do estado em um só propósito: o crescimento do Muay Thai e do Boxe Tailandês na Bahia. Teremos um trabalho conjunto com as outras entidades voltadas para esses esportes. A proposta é de crescimento unificado, com uma concorrência saudável, que só nivelará, por cima, as nossas modalidades”, avalia.

As equipes Demolição Bad Boy, Colisão Muay Thai, Horto Fight, Jay Congo e Rottweiler Muay Thai já estão filiadas a FMBT-BT. “Estou muito empolgado com a oportunidade de presidir a Federação e espero colocá-la entre as melhores do Brasil, com um trabalho sólido e transparente. Nossa meta mais importante é levar essas modalidades, através de projetos sociais, aos que não têm acesso ao esporte”, enfatiza Marcos.

– Conheça o site oficial da Confederação Brasileira de Muay Thai e Boxe Tailandês –

Falta de patrocínio leva atletas de MMA a quase desistirem do esporte

Assistir um mega evento de artes marciais mistas (MMA) pela televisão pode dar a sensação de que chegar àquele octógono foi fácil, afinal, muitas pessoas acreditam que, para ser lutador de MMA, basta ‘malhar’ para ficar traçado e treinar uma ou duas modalidades esportivas. Se engana quem pensa desta maneira. Para alçar grandes voos, os atletas precisam estudar os esportes separadamente e depois aprender como usá-los de forma unificada nas lutas.

Esses guerreiros chegam a treinar duas ou três vezes por dia. Nada de final de semana e muito menos feriado! A situação é ainda mais complicada para quem divide a tarefa de ser lutador de alto rendimento com outra profissão ou com os estudos. Na situação ideal, todos precisariam de suplementos alimentares, acompanhamentos com nutricionista, ortopedista, fisioterapeuta e psicólogo. Por quê? As lesões são comuns para esses atletas e o lado emocional é fundamental para que o desempenho deles seja positivo. Isso sem contar com os gastos com equipamentos e roupas – que costumam desgastar rápido, devido à intensidade dos treinos. Ah! Também não falamos sobre as despesas com transporte e com as academias (que muitas vezes abrem mão das mensalidades para ajudar o lutador).

Greco estreou no MMA em 2015

E é por tudo isso que os lutadores precisam de patrocínio. Esse é o caso do atleta Cristiano “Greco” Cruz, da equipe Virtude Muay Thai. Com um card de cinco vitórias e nenhuma derrota, o lutador explica que precisa do auxílio para custear a rotina de treinos, preparação, dieta, deslocamento, exames médicos e despesas de viagens para lutas. “Como preciso treinar três vezes por dia, fica inviável o trabalho formal. Isso sem contar as despesas pessoais com família e moradia”, conta Greco, que tem uma filha recém-nascida, dá aulas de Muay Thai e faz faculdade de educação física.

De acordo com o lutador, os empresários não têm interesse em investir em atletas iniciantes. “Sinto total descaso e desdém. A esmagadora maioria dos investidores quer encontrar um atleta pronto, já com títulos e uma carreira sólida. No meu caso, por exemplo, fui campeão de um evento nacional, em crescente, com transmissão ao vivo. Nocauteei e não recebi uma proposta sequer. Nada! Isso desmotiva muito”, relata Greco.

Ele – que começou a treinar Muay Thai aos nove anos e aos 14 foi vice-campeão estadual de luta olímpica, estilo greco-romana -, estreou no MMA, com vitória, em 2015 e, atualmente, está na sétima colocação dos penas, de acordo com o Ranking Nacional. Desde então, dedica-se integralmente às artes marciais, ministrando aulas e treinando de segunda a sábado. “Hoje, o esporte é minha única fonte de renda. O meu objetivo é ser o melhor da minha geração. Tudo me serve de motivação. Meu foco é um só e nenhum tipo de interferência vai me atrapalhar”, crava o atleta.

Cocão coleciona 11 vitórias

Já para Geraldo “Cocão” Guimarães, da equipe Gardenal Boxing, o problema é que o Brasil não tem a cultura de investir em atletas, e os empresários, sobretudo os baianos, não destinam verba para lutadores de MMA. “Algumas empresas ainda têm a vontade de patrocinar e descontar no imposto de renda, só que a fiscalização acaba ‘pegando no pé’ dessas firmas, para ver se esse dinheiro está indo de forma correta, realmente como fundo de ajuda para o atleta. Então, mesmo tendo a vontade, as empresas acabam desistindo por causa da burocracia”, opina.

Aos 24 anos, Cocão possui um cartel de 11 vitórias e seis derrotas, e afirma que nunca teve patrocínio, apenas apoio de amigos e familiares em época de luta, e que, por isso, já pensou em desistir. “Pensar em parar é frequente na vida do atleta de alto rendimento na Bahia, eu que estou no interior [Vitória da Conquista], é mais comum ainda. A dificuldade em continuar nos força a estagnar. Felizmente, o amor pela luta nos mantém firmes. Mas, infelizmente, o MMA não nos dá garantia de futuro. Podemos decolar no esporte, ou não. Melhor garantir com o que é certeza, o estudo”, analisa Cocão.

Marrenta pretende voltar aos treinos

Atleta da Equipe Demolição Bad Boy, Mayara “Marrenta” Borges, parou de treinar há um ano, devido a falta de patrocínio somada a uma lesão no ombro. Atualmente, ela faz faculdade de educação física, estagia em um colégio e trabalha dando aulas da Muay Thai. “Tive que escolher entre meu sonho e minha realidade. Ou eu treino ou eu trabalho e estudo. Com essa rotina não tenho mais tempo para dedicar ao MMA. Se eu tivesse um patrocínio, ou qualquer apoio, estaria atrás do meu sonho, que é chegar ao UFC”, revela.

Mayara lembra que, antes de parar com os treinos, dependia dos professores para ter dinheiro para transporte. Além disso, por falta de recursos, não tinha suplementação e alimentação corretas. Ela pontua que o espaço para as mulheres ainda é restrito no mundo do MMA. “Os eventos ainda são machistas. A gente observa isso quando o card tem 12 lutas masculinas e apenas uma feminina. Quando comecei haviam poucas mulheres querendo lutar. Hoje, há um universo de meninas querendo chegar ao UFC”, avalia.

Voltar a treinar faz parte dos planos da “Marrenta” e parece que não vai demorar muito. “Meu objetivo é voltar a treinar. Estou apenas esperando a liberação do médico para buscar tempo para me dedicar ao esporte”.

Perseverança

Um exemplo para os atletas, principalmente para as mulheres, é a atual campeã dos galos feminino do UFC, Amanda “A Leoa” Nunes, que enfrentou muitas dificuldades para conseguir chegar ao seu objetivo. Quando começou a treinar forte e sonhar com a maior organização de MMA do mundo, o UFC, Dana White, atual presidente desta, ainda nem considerava a contratação de mulheres.

Amanda tem sido requisitada para eventos, capas de revistas e programas jornalísticos

Sempre confiante, A Leoa apostava que ele precisaria liberar as lutas femininas para acompanhar os avanços da sociedade. Por isso, deixou família e amigos no Brasil em busca de melhores condições no mundo da luta. “Eu precisei dormir na academia para não desistir do meu sonho. Quando cheguei nos Estados Unidos, não tinha nem roupa de frio e limpava a academia para me manter lá”, conta.

 

Hoje, além de ter alcançado o seu objetivo – a cinta do UFC -, A Leoa tem sido requisitada para palestrar em eventos, compor capas de revistas e participar de programas jornalísticos. Além de estar constituindo família nos EUA e recebendo muitas cartas de fãs.

#AcrediteVocêTambém

 

*Imagens: Reprodução / Redes Sociais

Conheça o resultado do Fight On 4

O Fight On, evento de MMA realizado ontem (1º de abril), no Caranga Bar, na Orla de Pituaçu, em Salvador (Bahia), movimentou a noite da capital baiana. Foram 12 lutas de tirar o fôlego. O certame, que teve transmissão ao vivo pelo Facebook, contou com a presença do pugilista Acelino “Popó” Freitas; do vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (PMDB); do secretário municipal de Trabalho, Esportes e Lazer, Geraldo Júnior (SD); e do vereador Felipe Lucas (PMDB).

Conheça o resultado

Ednaldo “Lula” (ex-UFC) x Cássio Jacaré – Lula venceu por decisão unânime
Jailton Júnior x Fagner Rakchal – Jailton venceu por nocaute técnico
Edilberto “Crocotá” (ex-UFC) Tawa Rill – Crocotá venceu por nocaute técnico
Edilson Teixeira x Valto Cyclop – Edilson venceu por nocaute técnico
Michel Pânico x Clécio Pereira – Pânico venceu por finalização
Bruno Oliveira x James Menezes – Bruno venceu por finalização
Petter Gabriel Santana x Filipe Esteves – Filipe venceu por finalização
Fabrício “Alagoinhas” Oliveira x Ildison Maicon – Alagoinhas venceu por nocaute técnico
Rodrigo Lídio x João Domingos – Rodrigo venceu por nocaute técnico
Carlos “Boi” Felipe x Isaias “Pata de Urso” Silva – Boi venceu por nocaute técnico
Carlos André x Edinaldo Novaes – Edinaldo venceu por nocaute
Ronaldo Araújo x Victor da Silva – Ronaldo venceu por nocaute

*Imagem: Divulgação / Fight On

 

 

[VÍDEO] Rapidinha com Luiz Dórea

O Nocaute Baiano visitou a Academia Champion para entrevistar um dos treinadores que contribuiu com a carreira de grandes nomes do MMA mundial, a exemplo de Rodrigo [Minotauro] Nogueira, Rogério [Minotouro] Nogueira, Junior dos Santos Cigano, Lyoto Machida, Anderson ‘The Spider’ Silva e muitos outros. Luiz Dorea contou como começou a carreira de treinador, qual foi sua participação na carreira do Spider, e tratou de assuntos como troca de equipes.

Assista!

Rapidinha com Luiz Dórea | Nocaute Baiano

O Nocaute Baiano visitou a Academia Champion Luiz Dorea para entrevistar um dos treinadores que contribuiu com a carreira de grandes nomes do MMA mundial, a exemplo de Rodrigo [Minotauro] Nogueira, Rogério [Minotouro] Nogueira, Junior dos Santos Cigano, Lyoto Machida, Anderson 'The Spider' Silva e muitos outros. Luiz Dorea contou como começou a carreira de treinador, qual foi sua participação na carreira do Spider, e tratou de assuntos como troca de equipes. Assista!

Posted by Nocaute Baiano on Thursday, March 30, 2017

 

 

Fight On distribui 200 cortesias para quarta edição do evento, realizada neste sábado (1º)

O garoto propaganda? Júnior “Cigano” Dos Santos. No card? Três ex-atletas do Ultimate Fight Championship (UFC). Na plateia? Entrada gratuita para 200 jovens de diversas associações de artes marciais de Salvador. Esta é a quarta edição do Fight On, que será realizada neste sábado (1º de abril), a partir das 19h, no Caranga Bar, na Orla de Pituaçu, em Salvador (Bahia).

Promotor do evento, Yuri Carlton explica que as experiências obtidas na realização de certames anteriores o fez tornar o Fight On uma competição diferenciada. “Salvador tem deficiência de bons eventos de MMA e nós estamos na contramão desta realidade. Trazemos a qualidade necessária, com um card de qualidade, um serviço diferenciado para os espectadores e um lado social importante. Separamos 200 cortesias para jovens que estão iniciando em diversas modalidades, a exemplo do boxe, muay thai, jiu-jitsu e capoeira. O objetivo é incentivá-los a seguir no caminho do esporte”, detalha.

Ainda de acordo com a organização do evento, o Fight On já se tornou uma disputa nacional. Isso porque, o card conta com atletas da Bahia, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e de São Paulo. No card, também há lutadores que estão no TOP 10 do Ranking Nacional de MMA. (Saiba Mais)

Outro que está empolgado com o novo desafio é Edilberto “Crocotá”, 34 anos, da equipe Champion Team. Ele, que tem 12 anos de carreira, já passou por grandes eventos, a exemplo do Clube da Luta (CDL), Minotauro Fights, Jungle Fight, Shooto e UFC.

“Estou magrinho, mas estou muito feliz, porque está chegando a hora que eu gosto, vivo por isso. Sem isso, eu não vivo. Só está faltando quatro quilinhos. Eu não treino para um atleta, eu treino para uma luta, qualquer um vai ser só mais um. Eu sou guerreiro estou sempre pronto para a luta”, crava Crocotá, que está na fase de emagrecimento para bater o peso da categoria dos médios (77 kg).

Atualmente, ele possui um cartel de 28 vitórias e 15 derrotas e vai enfrentar o pernambucano Thawa Ril, de 26 anos, da Nova União Recife.

Devem marcar presença no evento, a campeã olímpica de boxe Adriana Araújo, o treinador de boxe Luiz Dórea e o atleta do UFC Paulo Henrique “Borrachinha”. Já Júnior “Cigano”, gravou apenas um vídeo para o evento, pois está no camp para a sua próxima luta, no dia 13 de maio, contra Stipe Miocic, no Texas, Estados Unidos. Os interessados em assistir o evento, devem entrar em contato através dos números 71 98335-9999 ou 98335-9999.

Se Ligue no Card

Ednaldo “Lula” (ex-UFC) x Cássio Jacaré
Júnior “Alpha” (ex-UFC) x Fagner Rakchal 
Edilberto “Crocotá” (ex-UFC) Tawa Rill
Edilson Teixeira x Valto Cyclop
Michel Pânico x Rafael Sobral
Bruno Oliveira x James Menezes
Jailton “Malhadinho” Júnior x Fábio “Mocotó” Froz
Ícaro “PitBull” Ribeiro x Filipe Esteves
Fabrício “Alagoinhas” Oliveira x Ildison Maicon
Silvan “Homem Pedra”Santos x Rafael “Loko” Ramos
Carlos “Boi” Felipe x Isaias “Pata de Urso” Silva
Carlos André x Edinaldo Novaes
Ronaldo Araújo x Emerson Silva

*Card sujeito à alteração


Imagens: Assessoria/Reprodução Rede Social

Dez baianos estão entre os melhores lutadores de MMA no Ranking Nacional

O Ranking Nacional de MMA divulgou, no mês passado, os melhores lutadores brasileiros das Artes Marciais Mistas e nove baianos estão no TOP 10 de suas respectivas categorias. São eles: Virna “Carcara” Jandiroba, da equipe Team Velame, que está na segunda colocação do peso palha feminino; Marcus Amaral “Marcote”, da Nordeste Jiu-Jitsu, também registra o segundo lugar do peso palha masculino; Matheus “Teeik” Silva, da Evolução Thai, é o terceiro do peso mosca; o feirense Edilson “BlackGregor” Teixeira, da Life MMA, é o nono colocado dos galos; Cristiano “Greco” Cruz, da equipe Virtude Muay Thai, está em sétimo lugar dos penas; Kleber “Orgulho” Silva, da Nordeste Jiu-Jitsu, é o quarto do  meio pesado e Ednaldo “Lula” (ex-UFC), das equipes Champion Team e Nordeste Jiu-Jitsu, está em sétimo na mesma divisão; Carlos “Boi”, da Life MMA, está em sétimo nos pesados. Já Luan Santiago “Miau”, da CM System, e Arivaldo Lima “Carniça”, da CheckMat – ambos moram e treinam no Paraná, atualmente -, estão na segunda e quinta colocação dos penas, respectivamente.

A atualização do ranking esquentou o cenário nacional. Isso porque, se vencerem as próximas lutas, esses baianos terão chances maiores de serem contratados por organizações internacionais ou até pela maior organização de MMA do mundo, o Ultimate Fighting Championship (UFC). Para Leonardo Pateira, influente no mundo das artes marciais mistas, a situação de alguns dos lutadores pode melhorar ainda mais este ano. “Os atletas Edilson Teixeira e Carlos Boi se encontram ambos no TOP 10, a expectativa é que em 2017 ambos cheguem ao primeiro lugar”, analisou.

O objetivo do Ranking Nacional, que foi criado há seis anos, é facilitar o casamento de lutas nos eventos. A organização é válida para todos os atletas brasileiros, que não tem contrato exclusivo com qualquer organização do exterior, a exemplo do UFC, Bellator, One Championship e WSOF. As regras, segundo o portal do ranking, são baseadas em critérios de pontuação. Para cada luta, nos 13 últimos meses, comprovadas no Sherdog (o maior site de cadastro de atletas, equipes e eventos do MMA), será pontuado da seguinte forma: vitórias +3 pontos; empates +1 ponto; no contest/sem resultado = 0 ponto; derrota -2 pontos. Há uma pontuação Bônus para nocaute e finalização (+2 pontos) e por vencer oponentes com cartel positivo (+2 pontos). Não pontua quem vencer atleta que seja estreante ou que tenha apenas derrotas no cartel ou lutador vindo de quatro ou mais derrotas.

Conheça o Perfil dos baianos

Virna “Carcara” Jandiroba

Idade: 28 anos
Peso: 52 kg
Altura: 1,57 m
Cartel: 10 Vitórias – 0 Derrrotas

 

 

 

Marcus Amaral “Marcote”

Idade: 24 anos
Peso: 52 kg
Altura: 1,57 m
Cartel: 9 Vitórias – 1 Derrota

 

 

 

Matheus “Teeik” Silva

Idade: 21 anos
Peso: 56 kg
Altura: Não informado
Cartel: 7 Vitórias – 1 Derrota

 

 

 

 

“Edilson “BlackGregor” Teixeira

Idade: 30 anos
Peso: 61 kg
Altura: 1,72 m
Cartel: 22 Vitórias – 12 Derrotas

 

 

 

Cristiano “Greco” Cruz

Idade: 24 anos
Peso: 56 kg
Altura: 1,77 m
Cartel: 4 Vitórias – 0 Derrotas

 

 

 

 

Kleber “Orgulho” Silva

Idade: 29 anos
Peso: 92 kg
Altura: 1,85 m
Cartel: 13 Vitórias – 7 Derrotas

 

 

 

Ednaldo “Lula”

Idade: 33 anos
Peso: 92 kg
Altura: 1,95 m
Cartel: 16 Vitórias – 3 Derrotas

 

 

 

Carlos “Boi”

Idade: Não informado
Peso: 107 kg
Altura: 1,80 m
Cartel: 6 Vitórias – 0 Derrotas

 

 

 

 

Luan Santiago “Miau”

Idade: 22 anos
Peso: 65 kg
Altura: 1,77 m
Cartel: 11 Vitórias – 2 Derrotas

 

 

 

Arivaldo Lima “Carniça”

Idade: 35 anos
Peso: 65 kg
Altura: 1,67 m
Cartel: 14 Vitórias – 8 Derrotas

 

 

 

 

 

 

Belfort é derrotado e pede “divisão das lendas” no UFC

O UFC Fight Night Fortaleza, realizado ontem, 11 de fevereiro, foi de tirar o fôlego. Os brasileiros ficaram na média – dos 13 atletas da noite, seis ganharam, uma empatou e outros seis perderam -, entre os derrotados está Vitor “The Phenom” Belfort, que protagonizou a luta principal da noite. O carioca não resistiu aos fortes socos do norte-americano Kelvin Gastelum e sofreu nocaute técnico (TKO) ainda no primeiro round – a luta durou apenas um minuto e 48 segundos.

Em entrevista ao Canal Combate, após a derrota, Belfort anunciou a sua aposentadoria. Ele ainda tem uma luta no contrato do Ultimate Fighting Championship (UFC) e pediu para que esta seja realizada no Rio de Janeiro, cidade natal dele. Mas, o mais curioso durante a conversa com os jornalistas, foi a sugestão do casca-grossa:  a criação da “Categoria das Lendas”.

Segundo ele, já existe um projeto pronto para a realização da empreitada, com regras diferenciadas, a exemplo da proibição de joelhadas e cotoveladas; com luvas maiores; rounds mais curtos; e maior tempo de descanso entre os assaltos (1m30s).

“A gente sente saudades de muita gente competindo. Mas cinco rounds, toda essa juventude, é muito sacrificante no corpo. Da minha era, não vejo mais ninguém em ação. Tenho certeza, se essa liga dentro do UFC fosse criada, seria uma coisa que ia revolucionar o mercado do MMA, e vocês poderiam ver um pouquinho mais de Vitor Belfort”, afirmou.

A ideia do ‘Fenômeno’ soou muito bem aos ouvidos do Nocaute Baiano (NB). Isso porque poderia trazer grandes feras do MMA de volta ao octógono, a exemplo de Rodrigo Nogueira (40 anos), que anunciou a aposentadoria no final de 2015; a lenda Royce Gracie (50) – o primeiro campeão do UFC, vencedor de três das quatro primeiras edições do evento e considerado o grande nome da organização em todos os tempos; e Tito Ortiz (42), o primeiro grande falastrão da história, que falava e fazia na mesma medida.

Quem sabe, ainda, promover o retorno de Chuck Liddel (47), o primeiro lutador a se tornar um popstar; Matt Hughes (43), um dos atletas mais populares do mundo e ex-campeão dos meio-pesados da organização; Don Frye (51), o autêntico cowboy americano, que se notabilizou nos primeiros anos do UFC pelo estilo duro de luta e um olhar frio antes dos combates; e Dan Henderson (46). Até o “Cachorro Louco” (Wanderley Silva), 40, torceríamos para ver no octagon, apesar da sua saída delicada da organização.

A medida também poderia prolongar a carreira de outros grandes nomes das artes marciais mistas como Anderson Silva (41), Lyoto Machida (38) e o Maurício “Shogun” Rua (35), que venceu ontem, por nocaute técnico, o norte-americano Gian Villante.

Os apaixonados por MMA merecem essa categoria. #QueremosDivisãoDasLendas

Conheça os resultados do UFC Fortaleza

Card Principal
Kelvin Gastelum venceu Vitor Belfort
por nocaute técnico aos 3m52s do R1
Maurício Shogun venceu Gian Villante por nocaute técnico aos 59s do R3
Edson Barboza venceu Beneil Dariush por nocaute aos 3m35s do R2
Ray Borg venceu Jussier Formiga por decisão unânime (triplo 29-28)
Bethe Correia x Marion Reneau foi empate majoritário (29-27 Reneau, 28-28 e 28-28)
Alex Cowboy venceu Tim Means por finalização aos 2m38s do R2

Card Preliminar
Kevin Lee venceu Francisco Massaranduba
por finalização aos 3m12s do R2
Serginho Moraes venceu Davi Ramos por decisão unânime (triplo 30-27)
Joe Soto venceu Rani Yahya por decisão unânime (29-28, 29-27 e 29-27)
Michel Trator venceu Josh Burkman por finalização a 1m42s do R1
Jeremy Kenedy venceu Rony Jason por decisão unânime (29-28, 29-28 e 29-27)
Paulo Borrachinha venceu Garreth McLellan por nocaute técnico a 1m17s do R1

*Foto: Divulgação UFC

Por que a luta de Belfort e Gastelum gera grande expectativa em brasileiros?

Aos 39 anos, Vitor “The Phenom” Belfort vai para uma das mais importantes batalhas dele nas artes marciais mistas. Neste sábado, 11 de março, o carioca protagoniza o combate principal do UFC Fight Night Fortaleza, contra Kelvin Gastelum. Os atletas lutarão pela categoria dos médios – atualmente dominada por Michael Bisping.

Neste duelo, o norte-americano é o favorito. Ele, que é 14 anos mais novo que o brasileiro, vem embalado por duas vitórias consecutivas. Belfort, embora esteja vindo de duas derrotas, garante que está pronto para vencer. “Só para avisar, não acabou ainda, não! Estou com sede de vitória! O Fenômeno despertou”, afirmou em rede social.

É a primeira vez que Vitor Belfort e Kelvin Gastelum se enfrentam. Foto: Divulgação/UFC

Indiscutivelmente, este combate está movimentando o mundo das artes marciais. Há quem diga que esta luta é decisiva para Belfort. Mas, por que tanta expectativa para uma vitória do corioca?

  1. O brasileiro tem 20 anos de carreira;
  2. Seu mestre, no Jiu-Jitsu, foi Carlson Gracie (filho do introdutor desta arte marcial no Brasil, Carlos Gracie);
  3.  Aos 19 anos, tornou-se o lutador mais jovem a conquistar um título do Ultimate, ao vencer o torneio dos pesados, em 1997, e ganhou o apelido de fenômeno (na época, o esporte ainda não tinha as regras de hoje);
  4. Lutou pelo Pride Fighting Championships, antes do evento ser comprado pelo UFC;
  5.  Em 2004, conquistou o cinturão dos meio-pesados do UFC, já com as regras atuais e sob domínio da Zuffa;
  6. Por cinco vezes ganhou o título de “Nocaute da noite”;
  7. Possui um cartel de 25 vitórias e 13 derrotas;
  8. Já ganhou de grandes nomes como: Wanderley Silva, Dan Henderson e Michael Bisping.

O carioca também é colecionador de polêmicas:

  1. Atropelou Wanderlei e deu origem a uma das maiores rivalidades do MMA;
  2. Não respeitou o código de ética dos lutadores, de não lutar com companheiros de treinos e topou disputar o cinturão dos médios com Anderson Silva (foi duramente criticado por Spider);
  3. Defensor do uso da terapia de reposição de testosterona (TRT), dizia fazer uso por uma questão médica e de uma maneira controlada para que ficasse em condições de igualdade com os adversários, mas foi pego no exame no início de 2014, e não foi punido por estar fora do período de luta, mas perdeu a chance de lutar pelo cinturão na oportunidade. Ele afirma que nunca esteve ‘sujo’;
  4. Em 2006, após luta contra Dan Henderson, pelo Pride, foi pego com uma substância ilegal, denominada 4-hidroxitestosterona, e foi punido com nove meses de suspensão, além de multa em dinheiro.

#EsseTemHistória

Gastelum é de uma geração mais recente. Foi campeão do TUF 17, no peso médio, pelo time de Chael Sonnen, e fez sua primeira luta no UFC em 2013. No cartel, o norte-americano registra 13 vitórias e duas derrotas.

Quem será que leva essa?

UFC Fortaleza

Na manhã de hoje (9), foi realizado o Media Day com os principais astros escalados para o UFC Fortaleza. O evento promoveu as encaradas promocionais entre os atletas que vão lutar neste sábado. E já que estamos falando desta edição do maior certame de MMA do mundo, precisamos pontuar que o card está recheado de duelos que têm tudo para tirar o fôlego dos espectadores.

#SeLigue

Card Principal
Vitor Belfort x Kelvin Gastelum
Shogun Rua x Gian Villante
Edson Barboza x Beneil Dariush
Jussier Formiga x Ray Borg
Bethe Correia x Marion Reneau
Alex “Cowboy” Oliveira x Tim Means

Card preliminar
Francisco Trinaldo x Kevin Lee
Davi Ramos x Sergio Moraes
Rany Yahya x Joe Soto
Michel Prazeres x Josh Burkman
Rony Jason x Jeremy Kennedy
Garreth McLellan x Paulo Henrique Costa

Assista ao vídeo das encaradas promocionais

Imagem: Divulgação/UFC

 

 

© 2017 - TV Aratu - Todos Direitos Reservados
Rua Pedro Gama, 31, Federação. Tel: 71 3339-8088 - Salvador - BA