Fazer Exercícios com maquiagem é ruim para pele do rosto?

 

Se você é daquelas que não pode dar um passo sem se maquiar, fique bem atenta ao momento de fazer exercícios físicos. É preciso saber, no entanto, que o praticar exercícios físicos de forma regular com cosméticos no rosto pode fazer mal para a pele.

Todos nós sabemos que uma das respostas agudas do corpo ao se praticar exercício físico é a elevação da temperatura corpórea e consequentemente isto precisa ser equilibrado, e uma das formas encontrada pelo nosso organismo de realizar isso é através da sudorese. Eliminamos este suor através de diversas partes do corpo, incluindo o rosto. Neste momento, a maquiagem pode dificultar a transpiração natural da pele, deixando de otimizar este processo. Outra consequência negativa é que a maquiagem pode obstruir os poros, e com isso cravos e espinhas podem aparecer devido ao acúmulo de sujeira e oleosidade.

Além de evitar a maquiagem no momento do exercício, uma outra dica importante vai para quem exagerar no uso do perfume e pode se tornar deselegante, pois como sabemos o exercício desencadeia a elevação da temperatura corpórea e calor do corpo deixa a fragrância ainda mais intensa, podendo incomodar quem está ao redor. Apostar em apenas um desodorante antiranspirante já funciona como método para combater o odor do suor.

 

Bons Treinos!

AS Ultramaratonas!

  • O que caracteriza uma Ultramaratona?

A ultramaratona é caracterizada por ter uma distância acima de 42.195m (distância oficial de uma Maratona). Normalmente as provas são definidas por distâncias (50K, 100K, 100 milhas) ou tempo (6h, 12h, 24h – desde que seja percorrida a distância maior que uma maratona).

  • Pensando como negócio é um Mercado em crescimento?

No Brasil as provas de longa distância estão crescendo desde 2010. Uma das provas responsáveis pelo crescimento de ultramaratonistas é a Bertioga Maresias (75K), que acontece em SP. Antes dela, era difícil ver provas com grandes distâncias que não fossem as de 24h. E a dobradinha Ultra+Trail é o mais comum no Brasil.

  • Em média quantas provas chanceladas pelo o orgão ou orgãos regulamentadores acontecem no país?

São poucas e raras as provas chanceladas por não haver regulamentação específica. Agora, em 2017, a CBAt está em processo de regulamentação desta modalidade.

  • Como são as rotinas de preparação para uma prova como esta?

A preparação para uma ultramaratona deve começar pela escolha da prova onde altimetria, tempo de conclusão, local e data da prova devem ser alguns dos fatores determinantes.

Dependendo da kilometragem/tempo da prova escolhida, a preparação envolve de 6 a 9 meses entre trabalhos de força muscular, fisioterapia preventiva, rodagens e aspectos psicológicos.

Superar os desafios do dia-adia é uma das maiores dificuldades pois é preciso conciliar trabalho, família e treino.

  • Como deve ser realizada a transição para provas deste formato? Quais os critérios básicos?

Um atleta (amador ou profissional) precisa já ter um trabalho de base concretizado para poder aumentar sua kilometragem visando a ultramaratona – é interessante que ele já corra maratona com facilidade.

A escolha de provas “mais fáceis”  (maior parte do percurso plano por exemplo) devem ser consideradas, assim como ter uma progressão lenta de kilometragens – não passar de uma maratona para 100K por exemplo.

  • Existe um movimento de atletas?

Com o crescimento das ultras, muitos atletas amadores e assessorias esportivas estão procurando estas provas como um desafio novo.

Apesar de o público ser basicamente o mesmo na maioria das provas, noto que um crescimento desorganizado do mercado tem tirado um pouco o “espírito” de camaradagem que normalmente acontece – ou acontecia – nestas provas onde mais que correr uma super distância, o importante era todos chegarem bem.

  • Essas provas podem desencadear uma banalização das longas distancias?

Tenho observado e acompanhado de perto os resultados de ultras no Brasil e notado que, na maioria delas, existe um número alto de DNF por corte ou atletas que terminam a prova acima do tempo oficial (quando não se tem corte). Isto é claramente por falta de informação do atleta como não conhecer altimetria (às vezes nem sabe ler um perfil altimétrico de prova), não se preparar adequadamente e principalmente achar que “quem corre 42, faz 50K/60K/75K”.

Isto é extremamente preocupante para os treinadores e deveria ser olhado com cuidado pelos organizadores – uma sugestão é o atleta ter um índice técnico para poder se inscrever em uma ultra.

Fora o fato de que, para o atleta, quebrar ou não terminar uma prova, é frustrante.

 

Algumas provas de ultramaratona que se destacam no Brasil e no mundo:

  • Brazil 135 Ultramarathona (a prova principal tem 217K porém há outras distâncias maiores e menores), realizada na Serra da Mantiqueira (SP/MG), pelo caminho da Fé – brazil135.com.br
  • Ultramaratona dos Anjos Internacional (235K porém há outras distâncias) – realizada no Caminho dos Anjos, MG – http://www.ultrarunnereventos.net/uai_.html
  • Caminhos de Rosa Ultramarathon (250K porém há outras distâncias) – MG – http://caminhosderosa.com.br/plus/
  • Comrades (89K, a Rainha das Ultramaratonas), realizada na África do Sul – http://comrades.com/
  • Ultra Trail Du Mont-Blanc (UTMB) 170K porém há outras distâncias – Chamonix (França) www.com/en/
  • Spartathlon (246K) Atenas-Esparta (Grécia) – spartathlon.gr/en

 
Douglas de Melo
11 9.9424.6666
Top Notch Team
www.topnotch.com.br

 

APTR PANCADA GRANDE

 

No dia 19/08, vai acontecer na cidade de Ituberá, localiza no baixo sul do nosso estado um dos maiores circuitos de corrida de Montanha do Brasil, APTR Pancada Grande. Pensando nisso , fomos literalmente correndo saber um pouco mais deste evento, através de uma entrevista com um dos parceiros da prova o Roberto Lessa.

 

  • Nos fale um pouco da APTR Pancada Grade?

APTR Pancada Grande, faz parte do circuito de corrida de montanha brasileiro organizado pela Adevan Pereira Trail Run – APTR, uma das referencias nacionais neste tipo de corrida. Será realizada em Itubera, Bahia, com modalidades de 6, 16 e 30 km. Esse trail run passara por paisagens lindíssimas, com vistas para o estuário da baia de Camamu, floresta, rios, plantios diversos (cacau, seringueira, cravo da india, guarana, piacava, pupunha) e a suntuosa cachoeira de Pancada Grande (67 metros de altura), esta última apenas nos trecho de 16 e 30km. Ao chegar a cachoeira os corredores enfrentarão a subida de 310 degraus, cremos ser a maior escadaria em circuito de corrida de montanha do Brasil. A corrida sera no dia 19/8, sábado e a noite a comunidade e prefeitura estão organizando uma festa em praça publica para entrega dos troféus.

  • Qual a melhor forma de se chegar a cidade de Ituberá?

Partindo de Salvador, pode-se ir de ferry boat ate a ilha de Itaparica, depois seguir até Nazaré da Farinhas, onde pega-se a estrada para Valença, seguindo depois para Taperoa, Nilo Pecanha e, por fim, Itubera, percorrendo ao todo 150 km de estrada em boas condições.

  • Como já sabemos uma das características, deste tipo de prova é a relação com a natureza, os corredores terão muito acesso a potos que envolvam a natureza?

Acho que já respondi na primeira pergunta.

  • Do ponto de vista sócio econômico vão conseguir retorno para a cidade?

Os hotéis começam a ter muitas reservas já feitas e esperamos que restaurantes e comercio da cidade sejam de fato agitados comercialmente com este evento. Estamos com uma expectativa de receber em torno de 150 corredores, o que para uma primeira prova no município ‘e fantástico.

  • Como você a perspectiva desta modalidade no pais?

As corridas de montanha realmente tem crescido bastante e tendem a evoluir ainda mais em numero, diversidade e qualidade. Diferente da corrida de pista / asfalto, a corrida de montanha possibilita o convívio maior entre os corredores, pois eles se deslocam para uma cidade e la convivem pelo menos por dois dias, visto que em geral chegam na sexta feira, para realização da prova no Sábado e saem durante o Domingo. Outr ponto a ser considerado ;e que o contato com a natureza e com desafios diversos encontrados na trilha tornam a prova mais dinâmica e divertida.

ABS

Roberto Lessa

 

Saúde Bucal e o rendimento para prática de exercícios!

 

O atleta utiliza seu próprio corpo como instrumento de trabalho e é fundamental
que haja um equilíbrio do corpo e mente para o desenvolvimento e bom desempenho em
qualquer atividade. Imagine um atleta com dor oriunda do dente do siso antes de uma
importante competição, certamente o seu rendimento não seria o mesmo tendo que
realizar um esforço estando com dor. A Odontologia, mais especificamente a odontologia
do esporte atua na investigação, prevenção, tratamento, reabilitação e compreensão
sobre a influência das doenças da cavidade bucal no rendimento dos atletas profissionais
e amadores, a fim de melhorar o rendimento esportivo e prevenir lesões, levando em
consideração as particularidades fisiológicas de cada atleta e a modalidade esportiva,
bem como as regras do esporte que ele pratica. No Brasil, o primeiro representante foi o
Doutor Mário Hermes Trigo de Loureiro (in memorian). Cirurgião-Dentista da Seleção
Brasileira nas Copas do Mundo de 1958, 62, 66 e 70, o Dr. Trigo acreditava que o foco
dentário poderia ser responsável por debilitar a saúde do atleta. Em 1958, dos 33 atletas
da seleção, ele extraiu 118 dentes.
Quando a saúde bucal do atleta não está adequada, apresentando infecções
odontológicas periodontais, endodônticas, pericoronarites, ou até mesmo pós-cirúrgicas,
em muitos casos pode promover a queda do rendimento. Assim, é importante realizar
exames e diagnosticar o mais rápido possível qualquer interferência que possa causar um
foco infeccioso. Um atleta precisa estar sempre no auge de suas condições físicas, se há
um foco infeccioso bucal fornecendo microrganismos para a corrente sanguínea, as
lesões musculares, de ombros e joelhos podem ser mais freqüentes e de difícil
recuperação. Um dos principais fatores que podem influenciar na recuperação de lesões
musculares e cirurgias ortopédicas é a presença de focos infecciosos, de origem
periodontal ou endodôntico, que dificultam a cicatrização tecidual. O atleta de alto
rendimento geralmente está no seu limite de treinamento, esses mesmos atletas podem
apresentar algumas alterações que prejudicam sua saúde e consequentemente seu
desempenho como: síndrome do respirador bucal, que deve ser corrigida precocemente
na infância ou no início da adolescência e está diretamente relacionada à perda do
rendimento físico, a respiração bucal conduz o indivíduo ao cansaço, o ar entra pela
cavidade bucal em temperatura ambiente, com impurezas, muitas vezes resseca a
superfície dentária dos incisivos superiores, gengiva, provoca inflamações nas tonsilas
palatinas e necessita maior gasto de energia para aspiração, consequentemente
comprometendo o rendimento físico, além de causar sonolência, menor aproveitamento
do oxigênio e dores na musculatura cervical. É muito mais fácil a um atleta manter o seu
condicionamento físico sendo respirador nasal onde o ar é aquecido, umedecido e filtrado
a partir da cavidade nasal.
As perdas dentárias ou maloclusões severas, que além de acarretar problemas
estéticos, podem relacionar-se ao mau aproveitamento alimentar e absorção dos
nutrientes. Em determinadas modalidades o consumo de repositores de sais minerais
podem desmineralizar nossos dentes e a incidência e o risco da doença cárie aumentam
em determinadas populações no esporte. O uso de isotônicos pode provocar erosão
dentária, o que acaba interferindo na nutrição, uma vez que o atleta passa a evitar
alimentos mais ácidos, quentes e frios. As desordens temporomandibulares (DTMs)
causam dores articulares, dores de cabeça e musculares, além de estarem relacionadas à
postura incorreta.
A presença de focos infecciosos – periapicopatias, associada a má higiene oral são
problemas que prejudicam o desempenho de atletas. Entender o que é um atleta, como
funciona seu organismo, quais alterações ocorrem na cavidade oral que podem refletir no
rendimento físico, e quais alterações ocorrem na cavidade oral são ocasionadas por tais
atividades é de extrema importância para estabelecer ou reestabelecer o melhor
desempenho. Vivemos um momento importante de crescimento do esporte e com isso
ratifico a importância da odontologia, cumprindo importante papel dentro das equipes
esportivas, lembrando que o tratamento do atleta abrange diversas especialidades
odontológicas, cujo principal objetivo é promover saúde bucal, reabilitação oral,
contribuindo não somente com a melhora do seu rendimento, como também estética e
auto-estima.

Odontologia e Esporte
Dra. Fátima Karoline Araújo Alves Dultra
Cirurgiã Bucomaxilofacial/Implantodontista
Doutora em Processos Interativos dos Órgãos e Sistemas ICS/UFBA
Mestre em Clínica Odontológica FOUFBA

Foi dada a largada para as provas de corrida do segundo semestre de 2017 .

Foi dada a largada para as provas de corrida do segundo semestre de 2017 em nosso estado. E você já programou as suas? Vai tentar as curtas ou as longas distância? Opções não faltam porém, literalmente, corre lá, se organize e realize suas inscrições, pois muitas se esgotam rapidamente. Pensando nisso, o Mundo da Corrida trouxe algumas provas:

 

  • Quem cuida CORRE ( 09 de Julho – largada e Chegada em Ondina, esta prova possuiu um cunho social que é ajudar o Asilo São Lázaro – inscrições centraldacorrida.com.br
  • Desafio Serra de Itabaiana (09 de Julho – Itabaiana – Sergipe, prova de Trail)
  • Circuito das Estações – Etapa Inverno (16 de Julho – Largada e Chegada –Jardim dos Namorados)
  • Corrida Santiago de Compostela (06 de Agosto – Uma das melhores provas da Cidade, largada e chegada no clube espanhol, oferece vagas de estacionamento gratuitas)
  • Track&Field Shopping Barra (13 de Agosto – largada e chegada no Shopping Barra)
  • Corrida de Jacobina (27 de Agosto, há tradicional prova, acontece na cidade Jacobina, prova que tem corredores do Brasil inteiro)
  • Corrida dos Bancários (27 de Agosto, uma prova muito tradicional da nossa cidade, um dos grandes atrativos são os valores das inscrições)
  • Meia Maratona Farol à Farol (03 de Setembro, a mais tradicional prova de Corrida de Rua da cidade, explora nossa belíssima orla e ainda tem provas com distancias menores como 5k e 10k.
  • Corrida da Águia (17 de Setembro, o grande atrativo desta prova é a sua chegada no Pico das Águias, o quartel deles no Alto de Ondina)
  • Circuito das Estações – Primavera (Largada e Chegada –Jardim dos Namorados)
  • Track&Field Academia Villa Forma (01 de Outubro –largada e chegada no tradicional Bairro do Rio Vermelho)

Sabemos o quanto é importante para o sucesso e motivação dos praticantes deste universo que é a Corrida de Rua os eventos esportivos seja ele, de qualquer natureza (5k,10k, Meia Maratona, Maratona)! Então, é importante termos a consciência e se escrever na prova( e não participar sem se escrever).

Boas provas!

 

A Imagem do Corredor

 

Não é à toa que a corrida de rua se tornou um dos esportes mais populares do Brasil. Cada vez mais essa modalidade esportiva conquista novos praticantes, não só por proporcionar Saúde e qualidade de Vida, mas, também pela Imagem de Sucesso que ser um Corredor transmite.

Ter a corrida como uma prática esportiva regular é, sem dúvida, sinônimo de disciplina e resistência, características estas que carregam uma Mensagem de superação e de determinação, o que atrai muitos interessados. Sem dúvida alguma esses fatores, fortalecidos pelo hábito da corrida, são incorporados à personalidade do Corredor e acabam por contribuir para o aumento da autoestima e da autoconfiança do mesmo. Assim, tornar-se um Corredor, além de ser saudável, representa a transmissão de uma Imagem positiva do praticante.

Pode-se perceber que esse empoderamento ainda se reflete na sua Vida Profissional, haja vista esses elementos, enaltecidos pela corrida, serem pontos fortes no Mercado de Trabalho e, uma vez associados ao conhecimento técnico, às habilidades pessoais e aos cuidados com a aparência, compõem o Perfil de um Profissional diferenciado.

É interessante observar que a Imagem positiva transmitida pela prática regular da corrida abrange os vários aspectos da vida do Corredor, não só o auxiliando na construção da identidade pessoal, como motivando e transformando a Vida de muitas pessoas.

 

Lica Argolo

Consultora de Imagem & Estilo

 

Como escolher o TOP certo para fazer exercícios:

Um dos utensílios para a pratica regular de exercícios físicos mais difíceis de acertar para compra é o top esportivo. Produzido com diversos materiais e modelagens, um destes grande problemas é que são poucas as marcas esportivas que levem em consideração medidas que vão além dos habituais tamanhos P, M e G.

Indispensável que eles sejam mais do que bonitos, precisam oferecer conforto, um boa sustentação, afinal, pois protegem uma das partes mais sensível do corpo feminino.

As corredoras, em especial precisam ficar bem atentas, pois elas podem ter seu desempenho prejudicado pelo o uso desta peça inadequada, pois as mamas passam a se deslocar muito afetando o equilíbrio e consequentemente possam consumir mais energia.

Pesquisa realizada pela Universidade de Portsmouth, na Inglaterra, mostra que, durante a corrida, os seios seguem uma trajetória no formato de um oito. Já o balanço sofrido por eles depende de seu volume: tamanhos 44 e 46, por exemplo, balançam em média 9 centímetros, sendo que, quanto maiores os seios, maior será esse movimento.

Algumas dicas para um TOP adequado:

Além de seguro e confortável, ele deve garantir que a mulher sinta-se bem vestindo apenas a peça durante a prática do esporte.

É quase impossível comprar um top valendo-se apenas dos tamanhos P, M e G do mercado. As dimensões do modelo vão além e devem levar em conta o tamanho do tórax, do busto saliente e a distância entre o ombro e mamilo.

Precisa ser ajustável a cada mulher, procurando sempre proteger do impacto sem comprimir as mamas.

Apenas comprimir o seio não é sinônimo de sustentá-lo em relação ao impacto. As definições devem trabalhar juntas para produzir um top seguro e confortável.

O ideal seria o modelo informar para qual prática de exercício é mais indicado, pois existe muita diferença nas respostas;

Tecido ele leve para não irritar a pele;

É imprescindível testá-lo na loja, ter certeza de que ele se ajusta antes de comprar.

Bons treinos

 

Confira dicas de treinamento para mulheres

A mulher passou a praticar exercícios físicos e a participar de eventos esportivos bem após a população masculina. E, tudo isto devido a fatores sociais, políticos e culturais. Porém,  este cenário encontra-se em um outro formato pois, avançou  muito na participação das atletas em competições e é a política atual do movimento esportivo mundial. Através disto, temos ajudado a conscientizar a sociedade e a mulher da importância de se praticar exercício de forma regular na busca plena na melhoria da saúde e do bem estar.

Não precisamos debater muito para que tenhamos uma conclusão das diferenças entre homens e mulheres pois, eles se diferem em vários aspectos que podem influenciar diretamente no momento da prescrição do exercício. Segue algumas destas diferenças:

  • Composição e Dimensão Corporal;
  • Sistema Neuromuscular;
  • Sistema Cardiovascular e Circulatório;
  • Sistema Respiratório;
  • Sistema Nervoso;
  • Necessidades Metabólicas.

Com isso homens e mulheres desencadeiam adaptações diferentes que acabam determinando as diferenças no rendimento entre eles, apesar da fisiologia da mulher ser similar à do homem.

No entanto apesar da fisiologia ser similar entre ambos os sexos, o ciclo ovulatório menstrual faz com que exista diferenças e torne particular a prescrição de treinamento da população feminina.

Ao planejar as cargas de treino (volume, intensidade e a densidade), convém levar em consideração a influência dos biorritmos. Muitos estudos comprovam a oscilação dos rendimentos da população feminina frente as rotinas de treinamento em função das fases do ciclo ovulatório, que é uma particularidade do organismo feminino.

A duração deste ciclo varia, em média de 21 a 36 dias. Em 60% das mulheres, é de 28 dias (Korop,kononenko, 1983; Sologub 1987. Todo ciclo geralmente se dividi em cinco fases:

  • 1ª Menstrual: 1º ao 3ºdia;
  • 2ª Pós Menstrual – 4º ao 12º dia;
  • 3ª Ovulatória – 13º ao 14º dia;
  • 4ª Pós Ovulatória – 15º ao 25º dia;
  • 5ª Pré-Menstrual – 26º ao 28º dia

Em cada uma destas fases, em condições normais, ocorrem modificações na atividade hormonal e alteração de todo os sistemas do organismo da mulher. Devido a isto, é bastante discutido na literatura como se deve acontecer a estruturação da preparação física das mulheres. Encontramos escolas de treinadores que estruturam de forma idêntica a dos homens, não consideram as mudanças do estado funcional e a capacidade de trabalho esportivo delas. Os treinadores argumentam o fato de que as atletas participam de provas e  competições em qualquer fase deste ciclo.

Este argumento não pode satisfazer às exigências da preparação moderna das atletas altamente qualificadas. Por isso, se torna imprescindível um bom planejamento, ou seja, uma boa periodização que procure dar atenção as estas variações que o ciclo ovulatório menstrual ocasiona no organismo feminino. Partindo dessa posição, a dinâmica das cargas  devem acompanhar estas oscilações. E nesse caso, é importante que a elaboração do Mesociclos (estrutura correspondente ao mês de treinamento) e microciclos (estrutura correspondente a uma semana de treino) estejam alinhados com o ciclo ovulatório.

A seguir uma ideia das variações de cargas no mesociclo, considerando um ciclo menstrual de 28 dias:

Dia Fase Demanda da Carga Microciclo
1º a 3º Menstrual Média Ordinário
4º a 12º Pós – Mesntrual Média Choque
13º a 14º Ovulatória Média Estabilizador
15º a 25º Pós Ovulatória Alta Choque
26º a 28º Pré – Mesntrual Baixa Recuperativo

Assim, para os períodos de elevada capacidade de treinos que são Pós Menstrual e o Pós Ovulatória, pode programar as cargas maiores, já os de baixa capacidade de treinos Menstrual, Ovulatória e Pós Menstrual o ciclo deve ter cargas mais leves à moderadas.

É indiscutível o quanto estas alterações modificam o modelo da programação de treino para a população feminina exigindo estes ajustes, mas isso falando do alto rendimento! Porém hoje, além de todos os avanços e recursos de preparação, a equipe técnica que não alinhar seu planejamento a esta evidencia cientifica perde a chance de individualizar e consequentemente preservar a atleta. Portanto quando falamos das praticantes recreacionais, aí sim se torna um pouco complicado, mesmo sabendo que é de grande importância aplicar esta rotina. O grande problema é que as rotinas de atividades diárias sempre acabam atrapalhando a semana de treinamento e se isto acontece uma vez, tudo que você elaborou se perde. No entanto, se você é daquelas praticantes que as rotinas das atividades de vida diárias não atrapalham, senta, alinha com seu treinador e experimenta treinar desta maneira!

Bons Treinos!

Sono x Exercício Físico!

Hoje nosso post vai tratar de um assunto bem delicado e que quando mal dimensionado, causa uma confusão tremenda no nosso organismo: a rotina do SONO

Infelizmente, nossas rotinas de vida estão fazendo com que a gente olhe menos e não dê a devida atenção a qualidade do nosso sono. Não sabendo a gente, pobres mortais, que o tempo encurtado deste precioso reparador, seja por qual for o motivo, desencadeia uma confusão no nosso organismo, capaz de comprometer diversas respostas  tais como: alterações hormonais (cortisol, insulina), que estarão interferindo diretamente no processo de emagrecimento, ganho ou manutenção da massa muscular, bem como nos níveis de stress e irritabilidade.

Muito complicado, só quem de fato vivencia essa situação sabe o quanto é desagradável. Porém amigo, nós temos uma formula muito boa e barata para te apresentar caso você passe por esta situação de sono irregular. E sabe qual é? Praticar exercício físico de forma regular. Diversos estudos epidemiológicos descrevem que pessoas fisicamente ativas tem menos queixas relativas ao sono, ou seja, melhora na qualidade, redução da sonolência e da fadiga diurna, que são meros resultados de um sono com boa qualidade. Acredita-se que um dos motivos para o exercício ajudar a modular o sono (aumento no tempo total) vem do degaste que o corpo sofre na sessão de treinamento que é extremamente normal.

Porém precisamos ficar bem atentos,  no momento da elaboração do planejamento para indivíduos que sofrem deste mal, para alguns pontos como:

  • Volume x intensidade;
  • Horário da sessão

Enfim, não deixe de olhar para o sono somente num segundo ou terceiro momento do seu novo etilo de vida.

 

Conheça os benefícios da avaliação Isocinética

O Aparelho Isocinético é um equipamento conectado a um computador que capta informações de movimento.

Com dados objetivos de força, potência e resistência musculares, torna-se um importante aliado para Reabilitação e/ou Treinamento proporcionando uma melhor orientação e direcionamento da função muscular.

Na avaliação são produzidos dados objetivos através da comparação bilateral que indicam a presença ou não de desequilíbrios e déficits musculares capazes de gerar desgaste prematuro das articulações e provocar deficiências na performance.

Com base na avaliação isocinética traça-se um protocolo individualizado para cada situação, proporcionando o alcance dos objetivos estabelecidos de forma acelerada.

O Isocinético tornou-se mais conhecido e vem sendo utilizado cada vez mais por treinadores ligados diretamente a atletas de alto rendimento como ferramenta preventiva visando minimizar a chance de lesões. Durante o exercício, o esforço muscular se acomoda à resistência, o que evita lesões e proporciona enorme segurança.

Quem pode se beneficiar?
Todos! Pacientes (em seu processo de reabilitação), indivíduos sedentários (com melhor adaptação para iniciar um treinamento) e atletas/praticantes de atividade física (que buscam melhora na performance).

Para esportistas em geral ou para pessoas que desejem ingressar em determinado esporte, o teste é indicado para a correção de determinados desequilíbrios musculares. Sabe-se, por exemplo, que uma alteração na relação agonista/antagonista do joelho em corredores de rua pode levar a doenças como tendinite patelar, condromalácia e lesões musculares, principalmente das cadeias posteriores da coxa durante o “sprint”.

Na cidade do Salvador, encontramos na clinica AF FISIOTERAPIA, do Fisioterapeuta Fabio Arcanjo, maiores informações (71)32377777.

© 2017 - TV Aratu - Todos Direitos Reservados
Rua Pedro Gama, 31, Federação. Tel: 71 3339-8088 - Salvador - BA