ESTRELAS ALÉM DO TEMPO

SINOPSE:
Data de lançamento no Brasil: 2 de fevereiro
Direção: Theodore Melfi
Produtoras: 20th Century Fox, Chernin Entertainment, TSG Entertainment, Levantine Films
Roteiro: Theodore Melfi, Allison Schroeder
Indicações: Prêmio do Sindicato dos Atores: Melhor Elenco / Oscar 2017: Melhor filme, melhor roteiro adaptado e Melhor atriz coadjuvante (Octavia Spencer).

No auge da corrida espacial travada entre Estados Unidos e Rússia durante a Guerra Fria, uma equipe de cientistas da NASA, formada exclusivamente por mulheres afro-americanas, provou ser o elemento crucial que faltava na equação para a vitória dos Estados Unidos, liderando uma das maiores operações tecnológicas registradas na história americana e se tornando verdadeiras heroínas da nação.
———————————————————————————-

NOSSA OPINIÃO:
Estrelas Além do Tempo (“Hidden Figures”, que pode ser traduzido como “Figuras Escondidas”) conta a história REAL de Katherine G. Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe) com atuações incríveis. São mulheres de vida dura, acostumadas com o racismo da época, mas que escolheram não se acomodar e lutaram para criar oportunidades de realizar sonhos (não escrevi “aproveitar” pois ninguém queria dar oportunidades para mulheres negras, especialmente nos anos 60).

Em uma época que não existiam recursos técnicos, as mulheres eram “computadores”, que faziam mil cálculos importantes à mão e dava suporte aos engenheiros da NASA, só que elas tinham que provar de forma muito mais complicada, que eram capazes. Apesar do papo ser sobre mulheres, o foco principal é o racismo. Eu, como branca e privilegiada, aproveito a oportunidade para provocar a reflexão: será que as coisas mudaram mesmo? Apesar de hoje racismo ser crime, ainda vejo por ai e pelas redes sociais pessoas com atitudes piores do que as retratadas no filme. Será que evoluímos? (mais…)

FEMINISTA SIM!

Quero te explicar uma coisa: uma das minhas principais “missões” desde que me encontrei como feminista é desfazer imagens estereotipadas e conceitos errados que as pessoas têm do movimento.

Tem gente que teve uma “experiência” ruim com uma feminista e fala que “toda feminista é revoltada”. Não, miga. Eu sou feminista e não me considero revoltada. Mas a revolta existe e é um direito de quem quer se revoltar, só que não significa que isso seja uma “política” do movimento. A gente reclama e problematiza sim! Às vezes isso choca, pois as pessoas não estão acostumadas a verem mulheres bradando o que as incomoda – e que muitas vezes é considerado “só uma brincadeira”.

As generalizações são uma merda. (mais…)

FEMINISMO É COLETIVO!

Desde que me descobri feminista, eu tenho aprendido algo muito importante: pensar no coletivo. Não que antes eu não pensasse, mas você exercitar isso diariamente se torna algo muito maior.
Vou explicar: antes, eu formava minha opinião com base na minha vivência, na opinião das minhas amigas, família e etc. Hoje em dia, não faço mais isso. Expandi, ampliei o radar e, mais importante, exercitei minha empatia com os problemas alheios. Não é que eu não me importasse com as diferenças sociais, os problemas dos outros, nem nada disso. É que “agora” eu penso, me importo, me indigno com a realidade além da minha vida privilegiada {branca, “magra”, cis, hétero, classe média}.  (mais…)

AS NOVAS GERAÇÕES DO FEMINISMO

É fato: cada dia mais, o feminismo cresce. Com o apoio das redes sociais, o movimento se pulverizou, principalmente entre as adolescentes.
Isso me deixa muito feliz, pois acredito que a vida delas pode ser muito menos sofrida do que a minha foi, por exemplo.
Eu já tive uma mãe que era à frente do seu tempo, empoderada e me criou com as mesmas oportunidades que meu irmão teve. Mas nem todas as minhas amigas eram assim. Lembro da minha vizinha de 13 anos na época, que bateu lá em casa achando que estava morrendo, mas ela só estava sangrando pois tinha ficado menstruada. Eu já sabia o que era menstruação muito, muito tempo antes.
Mesmo assim, eu tive a influência da sociedade. Um dia eu também achei que eu era feia, pois eu era alta demais e magra. Já achei que eu tinha que ter um homem do lado para ser feliz, entre outras mil coisas. De qualquer forma, hoje eu vejo que eu já tinha diversos comportamentos feministas, mas a influência do patriarcado era muito forte.
Hoje, as meninas com 15 anos ou menos já sabem que o lugar delas é onde elas quiserem. Lógico que não todas! Mas encontro cada dia mais. Culpa da internet e dos blogs! Ainda bem. (mais…)

© 2017 - TV Aratu - Todos Direitos Reservados
Rua Pedro Gama, 31, Federação. Tel: 71 3339-8088 - Salvador - BA