“Se a Timbalada continuar perdendo fãs, o amor vai se desgastar”, diz Xexéu; cantor revela que era fã de ACM

Ídolo da Timbalada nos anos 1990, Xexéu tenta desviar da polêmica sobre a nova cantora da banda, Millane Hora, mas não consegue. “Brown e Gilson devem ter pensado e devem estar sabendo o que fizeram. Eu não posso entrar no mérito da questão porque não conheço a cantora, não a vi cantando, não quero me meter. Só posso dizer que quando saí da Timbalada deixei uma legião de fãs, que nunca fizeram uma reclamação”, desconversa, para logo depois dizer o que realmente acha. “Eu estava cantando com Amanda (Santiago) no Pelourinho e ouvi muita crítica, muita reclamação (sobre Millane). Quem faz o artista são os fãs e se a Timbalada continuar perdendo essa quantidade de fãs ou deixá-los insatisfeitos, esse amor pode acabar se desgastando”, prevê.

 

Os fãs da banda ensaiam boicotes aos shows e aos ensaios de verão, a partir de uma campanha em redes sociais chamada “Devolva Minha Timbalada”. A página no facebook pede “respeito aos fãs, respeito às raízes”. A nova vocalista participou do programa The Voice Brasil, da Rede Globo, em que Carlinhos Brown é um dos jurados, e foi apresentada ao público em novembro.

 

Veja a entrevista completa de Xexéu

 

Hoje com 43 anos, morando em Fortaleza, Xexéu diz não ter muita saudade do tempo em que era considerado símbolo sexual. Em 1997, deixou a Timbalada para tentar carreira solo. “Antes eu falava para as meninas: venha cá, venha cá, venha cá. Elas chegavam em grande quantidade. Hoje, elas respondem ‘não vou, não, não vou, não, não vou, não”, reconhece ele, que diz ter se recuperado da dependência química e não usar drogas há dez anos. “Eu não tive problemas com drogas. Quem foi lá comprar fui eu. Ninguém me ofereceu. Paguei o preço pela merda que eu fiz”.

 

VEJA TAMBÉM: Dr Rey chama deputados brasileiros de “comunistas ladrões”, quer Moro como presidente e diz que opera mulheres de traficantes

VEJA TAMBÉM: Imbassahy não explica 1300 litros de combustível e acusa imprensa de “venal”

 

Alguns contemporâneos de Xexéu, como Ninha, tentaram se lançar na política, atitude que ele considera tão reprovável quanto buscar a primeira pedra de crack. “Pra você ser político, você tem que entender o que é a política. Se for pra você ter um salário, ou para subtrair facilidades, não vale”, condena.

 

Ao ser perguntado sobre um exemplo de político com as virtudes que ele aprecia, o autor de Beija Flor e intérprete de Namoro a Dois e Toneladas de Desejo cita ACM. “Eu conheço um cara que marca a minha história, que é Antonio Carlos Magalhães. Além de ser um grande político, amava o povo”

 

Entre no debate sobre política: siga-me no www.twitter.com/opabloreis

Dr Rey chama deputados brasileiros de “comunistas ladrões”, quer Moro como presidente e diz que opera mulheres de traficantes

Doctor Rey, uma excêntrica figura que agrega a habilidade manual de Ivo Pitanguy com o pensamento político do falecido Enéas Carneiro, a fama internacional de algum piloto brasileiro da Fórmula Indy, a versatilidade diante das câmeras de Luciano Huck, a aparência de um protagonista da primeira temporada de Malhação e o ritmo acelerado de Narcisa Tamborindeguy, está revoltado. O cirurgião retalha políticos com uma verborragia de bisturi – palavras que se engancham em português e inglês como se fossem lâminas de uma motosserra ideológica. Tivesse nascido na Bahia, e não no bairro da Lapa, em São Paulo, ele diria, com um sotaque gelatinoso de Utah e acentuando as vogais, estar “na broosha”.

“Perdi eleição pra um palhaço comunista”, “o SUS é crime contra a humanidade”, “o Congresso Brasileiro está roubando dinheiro de emendas” são algumas das formas de traduzir indignação em frases de Roberto Miguel Rey Júnior, nascido de uma gaúcha com um engenheiro americano que praticamente entregou os quatro filhos a uma comunidade religiosa de mórmons, nos EUA. Rey saiu do Brasil antes da adolescência, levando passaporte e deixando uma pequena lista de ocorrências policiais associadas a furtos e fragmentos de criminalidade. Confissão de homicídio, confissão de prestação de serviços para traficantes de drogas, confissão de roubos estão ao longo de uma entrevista frenética, só encerrada quando o entrevistado meteu a mão na câmera avisando que é “preciso saber a hora de parar”.

Veja aqui a primeira parte da entrevista com confissão de homicídio e de operações em esposas de traficantes:

Grandes proporções

Antes mesmo de se acomodar em uma poltrona para uma conversa de 15 minutos que tentou transformar em monólogo, Dr. Rey faz inconfidências de grandes proporções: ao ser questionado se tinha colocado prótese peniana, ele diz que apenas insere, cirurgicamente, em alguns pacientes homens. Ele mesmo não precisa. Tudo porque teria conhecido uma raiz indecifrável na Tailândia (ou na Polinésia, sabe-se lá), capaz de elastecer, crescer, engrossar e fazer uma mágica de posologia oral, transformado em realidade anatômica todo aquele desejo que Freud associou aos homens donos de carros grandes e possantes.

Ele mesmo não precisa e, para provar, estende a duas mãos a uma distância considerável, que vai além dos próprios deltóides trabalhados em academia. A distância de uma palma da mão a outra é tão invejável quanto inverossímil, mas ele não tem constrangimento em afirmar: “Eu tomei a raiz e fiquei assim”

É quase impossível saber se o que sai da boca adornada por dentes com facetas de porcelana deste homem de 55 anos (que aparenta ter 20 a menos), com luzes no cabelo, é epítome de marketing pessoal, discurso treinado para impressionar, frases aleatórias para amalgamar idiomas, puro delírio, ou se é tudo isso ao mesmo tempo.

Na 2a parte da entrevista, o médico que teria feito 30 mil cirurgias diz que privatizaria a saúde, critica o SUS e condena a violência contra a mulher:

Perdeu pro palhaço

Roberto Miguel nasceu em São Paulo, mas morou a maior parte da vida nos EUA. Ficou conhecido no Brasil quando passou a protagonizar o reality show Dr 90210 (uma referência a famoso endereço em Beverly Hills), com versão no Brasil chamada Doutor Hollywood. Em 2014, já era o internacionalmente conhecido Dr. Rey quando tentou uma vaga de deputado federal por são Paulo, mas perdeu para “um palhaço comunista que não sabe ler as leis”, que seria Tiririca. Ele diz isso e tenta disfarçar um certo rancor com uma gargalhada seguida de “hoje ele é meu grande amigo”.

A verdade é que Rey obteve 21.371 votos pelo Partido Social Cristão, ficou como 160° colocado na disputa, mas, em vez de se abater, elevou ainda mais a meta. Como uma jovem senhora que turbina a auto estima com silicone após o marido encerrar o casamento de 25 anos, ele anuncia que quer ser presidente da República. Para isso, filiou-se ao Partido Ecológico Nacional (PEN).

O irrequieto agente público que quer migrar da California direto para o Palácio da Alvorada tem plataforma política voltada ao liberalismo, a críticas a iniciativas estatizantes e à defesa do free market society. Além de um livro biográfico, gosta de retirar de uma valise a cópia plastificada de um certificado de MBA em Ciências Políticas que teria cursado em Harvard. Sempre que fala sobre esse título acadêmico prefere dizer que fez um curso em Economia. Antes disso, tinha formado em medicina na Tufts University School of Medicine, residência em cirurgia geral na UCLA e em cirurgia plástica na University of Tennessee-Memphis Health Science Center, com especialização em reconstrução de mamas na Harvard Medical School.

A cada duas frases, o político Rey encontra um jeito de atacar comunistas, políticos corruptos, altos impostos, além de repetir que é um homem bem sucedido e milionário. A única exceção ao dominante discurso de repúdio aos homens públicos do Brasil é feita ao juiz Sérgio Moro. O médico que alega ter ultrapassado a marca de 30 mil cirurgias plásticas e ser autor da técnica de cicatriz invisível nos implantes está visivelmente empolgado com o magistrado apontado como figura emblemática da Operação Lava-Jato, uma espécie de intervenção radical na quelóide da corrupção nacional.

Na 3a parte, Rey chama Pasadena de ferro-velho, comenta disputa ACM Neto x Rui Costa e confessa que gostaria de ver Sérgio Moro como presidente:

Amizades perigosas

A forma de Rey de tentar ser agradável é compatível com exageros de quem chega em sua sala e pede 400ml em cada seio. Um minuto e meio após me ver pela primeira vez, ele já lança que é meu amigo e, cinco minutos, que me ama. Apenas meu prenome é suficiente para ele anunciar as séries de intervenções cirúrgicas em esposas de narcotraficantes da América latina e da Europa. Logo depois, faz críticas severas ao modelo do SUS – “crime contra a humanidade”.

Voltando para o Brasil depois de licenciar mais de 20 produtos, ele costuma dizer que deu uma virada na pior fase no país: ter ficado preso por matar uma pessoa. Não explica detalhes – nem sobre a cadeia, nem sobre o suposto homicídio. Praticamente abandonado pelo pai, foi morar em Utah, por intermédio da igreja dos mórmons, por aqui, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, a qual ele afirma ainda pagar dízimo. Garoto-propaganda, apresentador de televisão, cirurgião de estrelas, Rey garante ser um dos médicos mais ricos do mundo e faz questão de alardear isso.

Biografia do cirurgião: último da classe a aprender a ler

Biografia do cirurgião: último da classe a aprender a ler

A sinopse da autobiografia “Dr Rey – o brasileiro que se tornou o Dr Hollywood”, lançada em 2015, tem um trecho assim:

“Grande empreendedor, Dr. Rey criou mais de 20 linhas de produtos comercializados em mais de 120 países. Suas clínicas de estética se espalharam pelas Américas, inclusive pelo Brasil. Sua vida é uma impressionante história de superação. A história de um garoto, cuja vida tinha tudo para dar errado e acabou se tornando uma celebridade internacional, com uma fortuna de milhões de dólares. Uma história de sucesso, do rapaz que foi o último a aprender a ler na sua classe, e acabou se formando em Harvard.”

Dr Rey com Casemiro Neto no estúdio da Aratu (foto: Carla Araújo)

Dr Rey com Casemiro Neto no estúdio da Aratu (foto: Carla Araújo)

Minutos antes dessa entrevista, Rey tinha participado do programa Que Venha o Povo, da TV Aratu, quando repetiu, três vezes, para o apresentador Casemiro Neto, que não era homossexual (mesmo não tendo sido perguntado sobre isso em nenhuma das vezes). Rey fez a si mesmo apenas uma concessão ao termo metrossexual, enquanto, a cada minuto, aproximava um pouco mais o seu microfone de lapela do jornalista, ao ponto de quase se roçarem.

Casemiro encerrou a entrevista ao perceber uma certa tensão com o misto de médico excêntrico e showman de terno bem cortado e, agora, político radical e ambíguo, conservador nas ideias e panfletário e esquerdista no corte de cabelo desarrumado. Parece ter sido o mais prudente a fazer. Na conversa que viria a seguir, Rey levantou-se arbitrariamente após 15 minutos, tomou o tablet das minhas mãos de forma inesperada e depois justificou dizendo: “você tem que saber a hora certa de parar”. Nem sempre a gente sabe a hora certa de parar.

Prédio onde PF fez buscas tem apartamentos de R$4 milhões e condomínio de R$3500

O Terrazzo Imperiale, prédio no Horto Florestal, em Salvador, considerado de alto padrão por corretores de imóveis e alvo de buscas da Polícia Federal na manhã de hoje, tem apartamentos avaliados em R$4 milhões e IPTU acima de R$9 mil. Os agentes cumpriram no local mandados referentes à 35a fase da Lava Jato, batizada de Omertà.

O condomínio onde viaturas da PF estacionaram a partir de 5h30 desta segunda-feira tem custo de R$3,5 mil ao mês para cada proprietário. Um deputado federal, ex-prefeito de cidade no interior da Bahia, dono de rede de supermercados, é dono de imóvel no local.

Vista de uma das piscinas do Terrazzo Imperiale

Vista de uma das piscinas do Terrazzo Imperiale

O apartamento mais barato da Mansão Terrazzo Imperiale, no primeiro andar, não pode ser comprado por menos de R$2,5 milhões. De acordo com a construtora MRM, cada unidade tem 380 m2 de área privativa, com direito a cinco vagas de garagem. O apartamento tem quatro suítes, adega, prataria, home-theater. O prédio tem academia de ginástica, sauna, quadra de squash climatizada, piscina com deck e piscina interna com raia e trilha ecológica em um bosque.

Piscina interna, com raia, do Terrazzo Imperiale

Piscina interna, com raia, do Terrazzo Imperiale

Segundo comunicado, a Polícia Federal cumpriu dois mandados de busca e apreensão em Salvador e um em Camaçari. Além disso, os agentes fizeram condução coercitiva nas duas cidades.

 

Participe do debate sobre ética na política e combate a corrupção em www.twitter.com/opabloreis

Fechado desde Julho de 2015, Centro de Convenções custa mais de R$2 milhões apenas com segurança

O imóvel do Centro de Convenções da Bahia, fechado para reforma desde julho de 2015, custa, por mês, mais de R$180 mil apenas em serviços de “vigilância e segurança patrimonial presencial”. Uma parte do primeiro andar do prédio desabou no início da noite desta sexta feira (23/09), deixando três pessoas feridas.

O contrato 039/2016 da Secretaria de Turismo foi firmado em julho deste ano, por 12 meses, com a empresa MAP Serviços de Segurança. O valor total para os lotes referentes aos centros de Salvador e Ilhéus, ultrapassa R$2,7 milhões. As despesas relativas ao equipamento da capital são de R$2,1 milhões, enquanto a segurança do imóvel de Ilhéus (que é menor) custa R$600 mil. Por dia, mesmo fechado, o imóvel consome mais de R$6 mil apenas com a prestação de serviço de segurança patrimonial.

Contrato de 12 meses por segurança do Centro de Convenções da Bahia custa R$2,1 milhões

Contrato de 12 meses por segurança do Centro de Convenções da Bahia custa R$2,1 milhões

Um contrato anterior, de 90 dias, com a mesma empresa MAP, assinado em novembro de 2015, também compreendia o período em que o Centro de Convenções está fechado para reformas. Pelo intervalo de três meses, a empresa levou R$780 mil, sendo que cerca de R$600 mil foram referentes ao imóvel de Salvador.

governo_convencoes_map_27_2015

Neste ano, ainda com o equipamento fechado para reformas, a empresa MAP Serviços recebeu uma quantia de R$400 mil pelo serviço de segurança que teria sido prestado em maio e junho. Um montante de R$80 mil seria referente a Ilhéus, enquanto R$320 mil foram para pagamento da segurança patrimonial do Centro de Convenções em Salvador.

Pagamentos a empresa MAP por serviços que teriam sido prestados em período que não era previsto em contrato

Pagamentos a empresa MAP por serviços que teriam sido prestados em período que não era previsto em contrato

O governo chegou a divulgar que mais de R$15 milhões foram investidos na reforma do Centro de Convenções. A previsão de reinauguração era para novembro de 2016. Uma perícia foi feita no local para apurar a causa do acidente, mas o laudo ainda não foi divulgado. A abertura do equipamento para o público vai ser adiada, mas a data ainda não está prevista.

 

*Participe da discussão sobre uso de dinheiro público. Siga-me em www.twitter.com/opabloreis

Imbassahy não explica 1300 litros de combustível e acusa imprensa de “venal”

O deputado federal Antonio Imbassahy continua sem explicar ao contribuinte e ao eleitor o uso de mais de R$ 5000 da cota parlamentar apenas com combustíveis no mês de julho. Líder do PSDB na Câmara, um dos principais parlamentares a articular o impeachment da ex-presidente Dilma Roussef, o baiano apresentou dez notas fiscais de postos de gasolina em Salvador para ressarcimento.

Apenas no Posto Mataripe, localizado na Avenida Bonocô, foram mais de R$4200 em combustíveis. Os gastos, que serviram para pagar 1300 litros de gasolina, surpreenderam eleitores em todo o país que passaram a reproduzir a informação (atitude conhecida como retuitar), gerando repercussão em outros veículos de comunicação.

Apenas uma nota do Posto Mataripe custou R$3,2 mil

Apenas uma nota do Posto Mataripe custou R$3,2 mil

Os gastos do deputado com combustível passaram R$5mil em julho

Os gastos do deputado com combustível passaram R$5mil em julho

Em entrevista ao portal Metro1 (http://www.metro1.com.br/noticias/politica/22440,imbassahy-nao-justifica-gastos-com-combustivel-e-se-queixa-de-perseguicao.html) , Imbassahy decidiu acusar a TV Aratu de fazer “uma coisa venal, que não corresponde ao bom jornalismo”. Para o parlamentar, a notícia se trata de um ataque pessoal, “um tipo de perversidade”. O deputado citou a emissora sem que houvesse referência a ele em qualquer programa.

A divulgação ocorreu pela primeira vez no perfil pessoal www.twitter.com.br/opabloreis , em 15 de setembro , a partir de prestação de contas divulgada no próprio site da Câmara dos Deputados. O jornalista e apresentador Casemiro Neto leu o conteúdo do tuíte, no programa Que Venha o Povo, da TV Aratu, nesta segunda feira (19/09), pouco antes de meio dia, mais ou menos duas horas após a entrevista do deputado federal na Rádio Metrópole.  A mesma entrevista em que o parlamentar cita a TV Aratu, antes mesmo de haver qualquer menção a ele na programação da emissora.

Informação publicada no twitter 4 dias antes da divulgação na TV Aratu

Informação publicada no twitter, 4 dias antes da divulgação na TV Aratu

Sobre uso de redes sociais, a emissora tem como princípio orientar cada colaborador a se responsabilizar pelo conteúdo postado, obedecendo aos limites para liberdade de expressão previstos na lei.

A despesa total de combustíveis de Antonio Imbassahy no mês de julho ultrapassou os R$5 mil, dentro do limite previsto de R$ 6mil, considerado legal pela Secretaria da Câmara. O Ato da Mesa 43/2009, que institui a Cota Parlamentar na Câmara dos Deputados, não autoriza uso de combustível por assessores ou servidores efetivos (essa permissão é dada apenas para passagens aéreas, hospedagem e fretamento de veículos ou aeronaves). Dito de outra forma, há consenso no Congresso de que o consumo de combustível é para uso exclusivo do parlamentar.

Recentemente, na própria conta do twitter, o deputado federal publicou notícia em que se destacava o uso de 34 carros a serviço da ex-presidente Dilma Roussef. O texto do tuíte dá ênfase em A GASTANÇA DE DILMA.

Imbassahy criticou a "gastança de Dilma", mas não explicou os 1300 litros de combustível

Imbassahy criticou a “gastança de Dilma”, mas não explicou os 1300 litros de combustível

Contribua com o debate sobre transparência nos gastos dos políticos: www.twitter.com/opabloreis

Como milionários baianos transformaram pedreiro, boy e motorista em “laranjas”, sócios de empresa que faturou R$165 milhões em dinheiro público

Uma ação por improbidade administrativa feita pelo Ministério Público Federal na Bahia mostra como milionários transformaram ajudante de pedreiro, motorista e boy em sócios-fantasma de uma empresa, teoricamente sem fins lucrativos, responsável por desvios de mais de R$40 milhões na saúde da cidade de Candeias, Região Metropolitana de Salvador. O Instituto Médico Cardiológico da Bahia, no parecer do MPF-Ba, “foi estruturado com o fim de desviar recursos públicos e reparti-los posteriormente entre os responsáveis pela
entidade.”

Para o MPF, o empresário usou documentos de motorista e office-boy para colocá-los como laranja à revelia dos mesmos

Para o MPF, o empresário usou documentos de motorista e office-boy para colocá-los como laranja à revelia dos mesmos

Um dos laranjas é motorista, com salário de R$1500, e outro é pedreiro, com salário de R$1200

Um dos laranjas é motorista, com salário de R$1500, e outro é pedreiro, com salário de R$1200

De acordo com a investigação iniciada pela Controladoria Geral da União, Alan Nascimento Borges, Uriel Bispo dos Santos e Fredson do Nascimento Ferreira eram boy, motorista e ajudante de pedreiro, respectivamente, em empresas ligadas a Nicolau Martins Júnior, acusado pela Força Tarefa de liderar o esquema de desvio de recursos públicos. Alan, Uriel e Fredson tinham salários entre R$1200 e R$2000, mas constavam como sócios ou diretores do IMCBA, empresa que faturou R$165 milhões, entre 2011 e 2015, e mais de R$65 milhões, apenas em 2014. Eles teriam sido usados como laranja, sem sequer saber. Dois deles seriam, ainda, beneficiários de Bolsa Família.

Uso de empregados como laranjas "resultou em enriquecimento ilícito dos acionados"

Uso de empregados como laranjas “resultou em enriquecimento ilícito dos acionados”

A ação do MPF-Ba resultou no afastamento do prefeito de Candeias, Francisco Silva Conceição, o Sargento Francisco, e na detenção de mais três suspeitos. O documento de 90 páginas a que este blog teve acesso com exclusividade mostra como o ex-secretário de Saúde municipal, Manoel Eduardo Farias Andrade, junto com os verdadeiros proprietários do IMCBA, Nicolau Martins Júnior e João Ricardo de Camargo Silva, tramaram contratações que “configuraram verdadeiros atos de improbidade administrativa causadores de enriquecimento ilícito, dano ao erário e violadores dos princípios regentes da administração pública”.

"O IMCBA foi estruturado com o fim de desviar recursos públicos"

“O IMCBA foi estruturado com o fim de desviar recursos públicos”

 

Denúncia do MPF/Ba atinge prefeito de Candeias e IMCBA

Denúncia do MPF/Ba atinge prefeito de Candeias e IMCBA

 

Os alvos da Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público Federal

Os alvos da Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público Federal

A operação que teria desviado mais de R$40 milhões em recursos federais sem licitação teria como líderes o prefeito e o herdeiro e sócio das empresas NM Engenharia e Construtora NM, usando o Instituto Médico Cardiológico da Bahia. Nesse instituto, cujo capital é de mais de 140 milhões, aparecem como diretores funcionários de empresas do grupo que nem sabiam que os CPFs tinham sido usados para registro comercial.

o acusado de liderar esquema é sócio de construtoras responsáveis por grandes obras

O acusado de liderar esquema é sócio de construtoras responsáveis por grandes obras

O contrato mais recente da NM Engenharia com o governo do estado é de R$4.404.480, firmado com a Bahiagás em 22 de julho de 2015, para construção de gasodutos em Feira de Santana. Em maio de 2016, o contrato já recebeu um aditamento superior a R$600 mil. Já a Construtora NM recebeu do governo da Bahia, apenas em 2014, 320 mil.

 Para os auditores, Nicolau Martins Jr, que seria inicialmente coadjuvante entre os investigados, foi o principal responsável por articular a contratação do IMCBA pela prefeitura de Candeias. Inicialmente, o Pregão Presencial para administrar  o Hospital Municipal e uma Unidade de Pronto Atendimento só teve um interessado. Em seguida, os contratos foram prorrogados com dispensa de licitação. Segundo cálculos do MPF, o “prejuízo ao erário” chegaria a R$47 milhões, em valores atualizados.

Pregão Presencial com apenas um concorrente.

Pregão Presencial com apenas um concorrente

Prejuízo ao erário atualizado em mais de R$47 milhões

Prejuízo ao erário atualizado em mais de R$47 milhões

Os procuradores consideraram que o IMCB, criado como entidade sem fins lucrativos, seria mais uma fachada para lavagem de dinheiro.

“Todavia, longe desse finalidade altruísta, as investigações demonstraram que o IMCBA foi estruturado com o fim de desviar recursos públicos e reparti-los posteriormente entre os responsáveis pela entidade“, conclui o texto da ação civil pública.

A partir de relatórios da Controladoria Geral da União, os procuradores concluíram que houve fraudes como dispensa irregular de licitação, superfaturamento de serviços e lavagem de dinheiro, desde 2011. Os auditores comprovaram que IMCB faturou 65,6 milhões, apenas em 2014, e que as despesas foram bem inferiores a esse valor, caracterizando o lucro.

O funcionamento do IMCBA, que faturou R$165 milhões em 4 anos

O funcionamento do IMCBA, que faturou R$165 milhões em 4 anos

Operação Copérnico é uma alusão a Nicolau Copérnico, criador da teoria de que o sol é o centro da galáxia. Ironicamente, o nome do empresário não era considerado o principal mentor do esquema no início das investigações, mas se revelou central ao longo da apuração. O IMCB também mantinha contratos em São Francisco do Conde, Madre de Deus, Lauro de Freitas e Salvador.

A peça, de 90 páginas, é assinada pelas procuradoras da república Flávia Galvão Arruti (8° ofício de Combate à Corrupção) e Melina Montoya Flores (11° ofício de Combate à Corrupção) e pede a indisponibilidade de mais de R$140 milhões em bens e recursos dos acusados.

O pedido do MPF é de indisponibilidade de bens dos acusados no valor de R$141 milhões

O pedido do MPF é de indisponibilidade de bens dos acusados no valor de R$141 milhões

O empresário Nicolau Martins Jr aparecia em fotografias nas colunas sociais, como as imagens do casamento no luxuoso Hotel Convento do Carmo, em 2011. Ele continua detido. O prefeito de Candeias Sargento Francisco, que substituiu a prefeita cassada Maria Maia, continua afastado do cargo.

A imagem de um dos acusados pelo MPF, Nicolau Martins Júnior, no dia do casamento, em 2011

A imagem de um dos acusados pelo MPF, Nicolau Martins Júnior, no dia do casamento, em 2011

O prefeito afastado de Candeias, Sargento Francisco

O prefeito afastado de Candeias, Sargento Francisco

 

No dia 9 de agosto, a empresa NM Engenharia e Construções LTDA, de São Paulo, enviou a seguinte nota para o blog:

“No dia 07/08/2016 foi publicado no site “Aratu online”, na sessão “Blog do Pablo Reis” uma matéria referente à ação de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público Federal na Bahia em face de Nicolau Martins Júnior, sócio das empresas  “NM Engenharia” e “Construtora NM”. Ocorre que essas empresas mencionadas, apesar de terem o mesmo nome, não se confundem com a “NM Engenharia e Construções Ltda.” que possui sede em São Paulo, tem um quadro societário e um CNPJ distinto das duas empresas envolvidas no escândalo em apuração”.

 

 

*Continue o debate sobre desvios de dinheiro público e transparência. Siga-me no www.twitter.com/opabloreis

 

“A minha arma era a poesia”, diz estudante detido por desacato ao declamar para policial

O que mais impressiona em Vinícius Brasilino, o universitário de 23 anos, detido pelo crime de desacato, após recitar um poema para um policial, é que ele não dispensa um leve sorriso nos lábios. É o mesmo riso de menino da foto em que aparece algemado, fazendo pose vitoriosa, dentro de uma delegacia. “Ser preso recitando um poema na terra de Castro Alves é algo me deixa muito lisonjeado. A algema que me apertou o braço, o tapa que tomei, não doeram tanto quanto as mortes que são promovidas pela Polícia Militar”, orgulhou-se Vinícius em entrevista a esse blog (que pode assistida aqui).

Baiano de Conceição do Almeida, a 160km de Salvador, com 20 mil habitantes, teve uma poesia de sua autoria como sucesso de público na internet. Mas não foi do jeito que ele gostaria. Na madrugada de 2 de agosto, ele diz ter sido abordado com amigos por policiais, declamado o poema Melodrama e, logo em seguida, detido pelo crime de desacato. O caso foi registrado em Boletim de Ocorrência, mas ficou marcado mesmo depois de uma reação de milhares de usuários nas redes sociais.

A foto de Brasilino algemado: quase 8 mil curtidas e compartilhadas

A foto de Brasilino algemado: quase 8 mil curtidas e compartilhadas

“Olhar bem o corpo e o copo, olhar o lodo e a lama, sentir o amor e o ódio, sentir a frieza e o drama“, diz o trecho do poema declamado, antes de ser conduzido por uma viatura. Horas depois de ser solto, Vinícius Brasilino publicou o fato, em tom de desabafo (ENQUANTO A POESIA FOR UM DESACATO, DESACATAREI – SOU POETA!), e ganhou, em dois dias, mais de 2,5 mil compartilhamentos na internet. Vinícius conta que passava das 4h da madrugada quando quatro policiais armados abordaram os 200 jovens no luau “dando pancadas de cassetetes, chutes, derrubando as poucas barracas que estavam lá“.
Ele disse que recebeu empurrões e tapas no peito ao perguntar o motivo de alguns deles terem sido detidos. “Eu no mesmo momento recitei o poema que estávamos recitando antes da ação, neste instante um dos soldados colocou a algemas em meus braços, dando-me ordem de prisão por DESACATO. Solicitei aqueles senhores (assim que tratei a todo momento) que apontassem onde estava o desacato ou o desrespeito proferido contra eles e um deles novamente respondeu “você é intelectual, por isso vai detido”.

Por ironia, a poesia que ele declamou já ficou em terceiro lugar, em 2010, em concurso de literatura de escolas públicas e foi gravada e exibida na TV do Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), do Governo. A versão da Polícia Militar, em nota enviada a este blog, é de que “uma guarnição da 11ª CIPM foi acionada por moradores e hóspedes de hotéis das proximidades, que reclamaram do barulho e consumo de drogas de um grupo grande que estava na areia do Porto da Barra.”

Filiado ao PC do B, o jovem, de 23 anos, é presidente da União Estadual dos Estudantes de Mato Grosso, onde cursa Radialismo na UFMT. Na militância política, chegou a participar de protestos no Congresso Nacional, no dia da votação do projeto de lei de redução da maioridade penal.

O outro estudante, Luciano Ribeiro, que se identifica também como artista de rua, é de Cuiabá e diz ter sido um dos primeiros a sofrer agressão. Colocado na mala de uma viatura, onde sentiu spray de pimenta, ele disse ter ficado aliviado ao chegar na delegacia. “Antes de chegar lá, comecei a pedir por todos os santos, até os santos em que não acredito. Ali, percebi que estava mais seguro”. Foi Luciano quem registrou a foto emblemática de Brasilino: algemado, mas sorrindo e fazendo pose.

O desabafo: enquanto a poesia for um desacato, desacatarei

O desabafo: “enquanto a poesia for um desacato, desacatarei”

Um boletim de ocorrência foi lavrado, com registro de desacato e de porte de drogas, mas o próprio BO descarta a presença de drogas. Após a soltura, eles pediram ao delegado o dinheiro para voltarem de ônibus coletivo para casa. O delegado deu. A resposta da PM informa que “quatro dos conduzidos estavam com maconha e os outros quatro foram encaminhados por desacato, ente eles Vinícius Brasilino”. Dois dias após o fato, o jovem prestou queixa na Corregedoria da PM.

Assista ao vídeo em que Brasilino e Luciano voltam ao Porto da Barra para contarem como tudo aconteceu, na versão deles:

 

Leia o poema que rendeu a detenção

MELODRAMA

O braço não é mais do lasso
É o passo
O piso e o risco
E o passo não é mais preto
É falso
Mas não sou eu?

Em cada canto
O desencanto
O sustento e o medo
É que te torna cada vez mais hipocondríaco
Veja!

A rua não é mais sua
É do vento
É do tempo
É de quem quer que seja
Veja

O braço
O passo
O canto e a rua

Fique atento
Fique na sua
Pois tudo pode mudar!

Não queres falar?
Não fale
Não queres gritar?
Não grite
Mas preste a atenção e tome muito cuidado
QUERER É PODER
E só vc pode.

Olhar bem o corpo e o copo
Olhar o lodo e a lama
Sentir o Amor e o ódio
Sentir a frieza e o drama

Só vc pode…
O corpo e ocopo
O lodo e a lama
O amor e o odio
A frieza e o drama.

Outras criações literárias do jovem podem ser lidas em seu blog pessoal: www.fernandesqueroeposso.blogspot.com.br

A resposta da PM na íntegra

Na madrugada do último dia 2 de agosto, após um show realizado na Barra, uma guarnição da 11ª CIPM foi acionada por moradores e hóspedes de hotéis das proximidades, que reclamaram do barulho e consumo de drogas de um grupo grande que estava na areia do Porto da Barra.

A guarnição foi até o local, realizou a abordagem e houve desentendimento com os policiais. Oito pessoas acabaram sendo conduzidas à Central de Flagrantes da Polícia Civil, sendo seis homens e duas mulheres. Quatro dos conduzidos estavam com maconha e os outros quatro foram encaminhados por desacato, ente eles Vinícius Brasilino.

Foi lavrado um termo circunstanciado e em seguida todos foram liberados. Uma sindicância foi instaurada na corregedoria da companhia para apurar as circunstâncias do fato e se houve excesso na abordagem dos policiais.

 

Siga-me no www.twitter.com/opabloreis

Bahia tem metade de UTIs neonatais recomendadas: Médicos reguladores choram se bebês não conseguem cirurgia

Quando um filho da gente chora de dor, primeiro nosso coração encolhe, depois a gente parte pra guerra. Não foram essas palavras que ele usou, mas era provavelmente isso que dizia o olhar afogado em lágrimas de Fernando Bispo, na frente de uma câmera de televisão. Após 30 dias de nascida, a filha dele, Ana Carolina, continuava na maternidade José Maria de Magalhães Neto, a unidade de referência da Bahia, junto com a mãe Acácia. Nascida com cardiopatia, a menina precisava de transferência para um centro cirúrgico adequado, no caso, o hospital Ana Néri. Durante quase um mês, esperou a solução tradicional, mas, sabendo que o quadro da filha piorara, buscou o caminho aberto pelo desespero: chorar e implorar por atendimento em um programa de televisão.

Veja o pedido emocionado de Fernando, que teve solução no dia seguinte:

 

O drama do pintor de paredes Fernando se cruza com a angústia da pediatra Adriana Meira Ivo justamente na carência de leitos de uti neonatal. “Tem dias que você consegue regular pouco, é frustrante. Tem dias que só de você regular um já é uma alegria”, consola-se a doutora, mãe de dois adolescentes, uma das responsáveis por encaminhar os 25 pedidos diários que a Central recebe, em média, relacionados apenas com pacientes recém-nascidos. Em outras palavras, Adriana tem uma missão parecida com a dos garimpeiros: precisa encontrar as vagas preciosas na pedreira de escassez de recursos. Se não vale ouro, o trabalho dela e dos colegas vale vidas.

A Bahia conta com 295 leitos de UTI neonatal (195 do SUS e 100 do não-SUS), número abaixo da metade do recomendado por organismos independentes. A Sociedade Brasileira de Pediatria indica que são necessários pelo menos quatro leitos para cada grupo de 1000 nascidos vivos (veja aqui o documento de 2012). Os dados do DATA SUS são de 200 mil nascidos vivos no estado todos os anos, o que representaria a necessidade de 800 leitos.

A ocupação de uma UTI neonatal é a que demora mais tempo pelos padrões do Ministério da Saúde. Em alguns locais, a média é de 16 dias, quando a meta seria 11 dias. São estatísticas que, na prática, podem abreviar o futuro de quem acaba de vir ao mundo. Perspectivas pioradas ainda mais pela falta de profissionais: 85 neonatologistas e 834 pediatras para todo o estado, segundo levantamento feito pela Associação Médica Brasileira (seção Bahia) para a SESAB. Até o ano passado, o Conselho Regional de Medicina na Bahia tinha 62 registros de neonatologistas.

 

Lágrimas no plantão

A médica reguladora Adriana lembra do plantão em que chorou muito por causa de um menino de quatro anos. Ele caiu de uma laje, sofreu traumatismo craniano, foi atendido com rapidez, mas ainda precisava de uma UTI. No intervalo entre a regulação buscar essa vaga, o garoto não resistiu. Adriana saiu arrasada daquele plantão em um sábado chuvoso. “Não esqueço da história, a pediatra dizia que ele era um menino muito bem cuidado”, recorda, com lágrimas nos olhos.

 Assista ao depoimento da médica Adriana:

A série de reportagens Vidas por um Fio já mostrou que a cada 20 minutos um baiano morre no sistema de saúde. Há grandes chances do pedido de Fernando, o pai de Ana Carolina, ter sido atendido por causa de um parâmetro que, além de expectativa de vida, gravidade do caso e condições da unidade hospitalar, tenha sido decisivo para a regulação: a exposição na mídia. Esse conceito, que não é falado abertamente pelos gestores de saúde, vai ser tema da próxima reportagem de Vidas por Um Fio.

Três dias depois de conseguir a transferência para o Hospital Ana Néri, a menina Ana Carolina enfrentou 8 horas e meia de cirurgia. O pai estava preocupado e chegou a ouvir algumas precoces palavras de consolo de membros da equipe médica. Mas ela resistiu, embora ainda tenha que permanecer uns 30 dias na UTI, antes de receber alta. É bem provável que muita gente ainda seja convidada para a formatura dessa garota, a menina que nasceu do útero de Acácia e sobreviveu do grito do pai que partiu para a guerra. Tomara que ela escolha ser médica.

 

Siga-me no www.twitter.com/opabloreis

Mais de 73 pacientes morrem por dia no sistema de saúde da Bahia: a maioria aguarda UTI

Da queda, fez-se a tragédia, mas antes dela foi a bacia fraturada, a ambulância do SAMU, os 12 dias de espera em um ambulatório, a regulação que não ocorreu: a morte. Acabaram-se os passeios alegres de domingo, a planejada festa de aniversário de 85 anos, nunca mais as visitas às irmãs em Recife. A vida de dona Severina acabou aos 84 anos, numa tarde de 3 de outubro de 2014, dentro da Unidade de Pronto Atendimento dos Barris, por falta de local adequado para fazer a cirurgia pela qual aguardou por duas semanas. Os dias de sossego de Joseane Freire, a simpática Tia Josy do transporte escolar, filha de Severina, também acabaram.

Assista o desabafo completo de Joseane a este blog:

Naquele mês de outubro de 2014, além de dona Severina Freire, outros 2413 baianos morreram depois de darem entrada no sistema público de saúde. De janeiro de 2014 a maio de 2015, foram 37987 óbitos, o que dá uma marca superior a 73 mortos por dia. A cada hora, três pacientes passam desta vida para algum outro plano – ou para o nada, de acordo com a crença – em alguma dependência de unidade médica no estado.

Os dados são do DATA SUS e foram fornecidos após uma solicitação deste blog via Lei de Acesso à Informação. A SESAB, de forma transparente, ofereceu a resposta dentro do prazo legal.

O relatório mostra uma média acima de 73 mortes por dia, no ano de 2014 e nos cinco primeiros meses de 2015. No ano passado, foram 26543 óbitos e até Maio de 2015 já são 11444 mortes. A SESAB compara as perdas com o total de 1,1 milhão de atendimentos (803921 em 2014 e 324333 em 2015) para chegar a um percentual de morbidade de 3,3%.

 

Demanda demais, UTIs de menos

Não há uma estatística precisa de quantos desses óbitos ocorrem em função da falta de leitos de UTI. Os próprios especialistas consideram aceitável que 80% se referem a pedidos de alta complexidade. Em outras palavras, mais de 2000 baianos, a cada mês, encontram a morte antes de ganharem uma vaga em um leito de alta complexidade.

“É importante deixar claro que, mesmo que não esteja fisicamente em uma UTI, o paciente recebe todos os cuidados quando ingressa no sistema. O fato de ele estar fora de UTI não significa descaso ou omissão porque ele está sendo acompanhado devidamente”, justifica Myriam Bittencourt, diretora de Regulação da Sesab.

Os dados mostram que, mais do que uma corrida pela vida, os gestores precisam enfrentar uma maratona diária para evitar um colapso. O número de leitos de UTIs na Bahia oscila em torno de 2500, sendo que 1500 são pelo SUS e 1000 não-SUS. Enquanto isso, a Sesab contabiliza 1300 novos pacientes a cada dia no sistema. Em uma tarde, observando a tela do software que monitora a regulação, é possível ver 134 registros vermelhos de pessoas em emergência, aguardando transferência para UTI, cirurgia ou qualquer outro procedimento de alta complexidade, quando o número de vagas é zero.

Resolver esse problema de oferta e demanda é a equação que os técnicos da secretaria tentam decifrar. Montar novos espaços de UTI esbarra na frieza do orçamento que obedece mais a aritmética do que a emoção: a projeção da Organização Mundial de Saúde é de cada leito custar em torno de 90 mil dólares (o que, pela cotação atual, ultrapassaria R$300 mil). A Sesab considera possível criar um novo leito de UTI por R$200 mil, mas o plano mais urgente é viabilizar rapidez na rotatividade dos pacientes. Atualmente, na Bahia, um adulto ocupa uma UTI, em média, por 16 dias e a meta é que esse período seja reduzido para 10 dias. A média nacional, pelo SUS e Ministério da Saúde, é de 6,7 dias.

 

Joseane e mãe, Severina, falecida após aguardar 12 dias por cirurgia

Joseane e a mãe, Severina, falecida após aguardar 12 dias por cirurgia

São dados que não consolam dona Joseane. A mãe dela, Severina, tomou uma queda no ano passado. O Samu foi acionado e conduziu a paciente para o 5° centro de atendimento, a UPA dos Barris. “Não tinha passado por isso, quando eu passei foi que caí na real de como está a nossa saúde precária. Quando aconteceu com minha mãe, caí na real”, desabafa. “Minha mãe só tinha diabetes e pressão alta, eu planejava uma linda festa de 85 anos para ela”.

Joseane é mais uma que ficou com a expressão “regulação da morte” marcada para os piores pesadelos. Na próxima reportagem da série sobre saúde pública Vidas por Um Fio, você vai saber como funciona a Central Estadual de Regulação e, pela primeira vez, ver o espaço onde médicos, literalmente, gritam – e choram – por uma vaga para um paciente que está entre viver e morrer.

Essa reportagem foi especialmente produzida para ser lida e assistida em um tempo de 20 minutos. Neste intervalo, desde que você bateu os olhos no título, já sabe o que pode ter ocorrido com algum baiano.

 

ATENDIMENTOS x ÓBITOS no Sistema de Saúde da Bahia

Ano/mês Com óbito Sem óbito Total % com óbito % sem óbito % Total
2014 26543 803921 830464 3,20 96,80 100,00
Janeiro 2245 65198 67443 3,33 96,67 100,00
Fevereiro 2129 63390 65519 3,25 96,75 100,00
Março 2072 63726 65798 3,15 96,85 100,00
Abril 2059 66087 68146 3,02 96,98 100,00
Maio 2012 66921 68933 2,92 97,08 100,00
Junho 2021 64519 66540 3,04 96,96 100,00
Julho 2401 70240 72641 3,31 96,69 100,00
Agosto 2379 70958 73337 3,24 96,76 100,00
Setembro 2410 71686 74096 3,25 96,75 100,00
Outubro 2414 71364 73778 3,27 96,73 100,00
Novembro 2152 65138 67290 3,20 96,80 100,00
Dezembro 2249 64694 66943 3,36 96,64 100,00
Ano/mês com óbito sem óbito Total % com óbito % sem óbito % Total
2015 11444 324323 335767 3,41 96,59 100,00
Janeiro 2165 66440 68605 3,16 96,84 100,00
Fevereiro 2457 59994 62451 3,93 96,07 100,00
Março 2335 69382 71717 3,26 96,74 100,00
Abril 2205 64805 67010 3,29 96,71 100,00
Maio 2282 63702 65984 3,46 96,54 100,00

FONTE: TABWIN/DATASUS

 

Siga-me no www.twitter.com/opabloreis

Juíza que absolveu 10 policiais no Caso Cabula pode virar desembargadora no Oeste da Bahia

Depois de absolver 10 policiais da acusação de homicídio qualificado no caso Cabula, a juíza Marivalda Almeida Moutinho pode se tornar desembargadora na Câmara Especial do Extremo Oeste Baiano, instalada este ano, em Barreiras. A candidatura da magistrada para a vaga na 57a Desembargadoria foi habilitada, por unanimidade, pelo critério antiguidade.

Já para as vagas da 56a Desembargadoria e da transferência da desembargadora Maria de Lourdes Pinho Medauar, que envolvem o critério de merecimento, as candidaturas foram inabilitadas por unanimidade. As decisões foram tomadas pela Secretaria do Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça da Bahia e publicadas na edição 1477 do Diário do Poder Judiciário (28 de julho).

No critério merecimento, são analisados itens como desempenho, produtividade, presteza, aperfeiçoamento técnico e conduta ética. Na lista de Antiguidade, Marivalda Moutinho ocupa a 76a posição no Tribunal de Justiça da Bahia.

Marivalda

Inabilitada pelo critério MERECIMENTO

 

Marivalda2

Habilitada pelo critério ANTIGUIDADE

Na sexta-feira (24/07), último dia dos cinco em que substituiu o titular do 1° juízo da 2a Vara do Tribunal do Júri, Vilebaldo José de Freitas Pereira, a juíza Marivalda Moutinho absolveu nove policiais denunciados pelo Ministério Público como autores do homicídio de 12 jovens no Cabula, na madrugada de 6 de fevereiro. Além disso, a magistrada usou a sentença, de quase 35 páginas, para absolver o soldado Luciano Santos Oliveira, que, segundo o MP, não era denunciado neste processo. O promotor Davi Gallo explicou que o nome de Luciano era citado por ele ter sido indiciado em outro caso de homicídio junto com mais dois policiais relatados no episódio do Cabula.

A decisão da magistrada fala em “legítima defesa”, “confronto armado” e “troca de tiros”. Um sargento da polícia foi atingido com um tiro de raspão, enquanto quatro suspeitos foram baleados e doze mortos com um total de 88 tiros, de acordo com um dos laudos integrantes no processo.

 

Siga-me no www.twitter.com/opabloreis

1 2 8
© 2017 - TV Aratu - Todos Direitos Reservados
Rua Pedro Gama, 31, Federação. Tel: 71 3339-8088 - Salvador - BA